quinta-feira, 20 de junho de 2019

Polícia Civil prende psicólogo suspeito de abusar de assistidos da Apae de São João del Rei

Um psicólogo de 60 anos, foi preso em Ibituruna, no Campo das Vertentes, nesta quarta-feira (19), por ter supostamente abusado de duas assistidas, de 25 e 29 anos na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São João del Rei.

A Polícia Civil está investigando o caso desde o ano passado após denuncias anônimas de que o profissional estaria abusando dos assistidos. A direção da APAE negou ter conhecimento do caso.

Foi cumprido mandado de busca e apreensão na residência do psicólogo onde foram apreendidos diversos aparelhos, entre eles, um celular, dois computadores e um pen drive que serão examinados pela perícia técnica.

Preso, o profissional foi encaminhado para o presídio regional de São João del Rei.

TJMG mantém goleiro Bruno em regime fechado

Decisão da 4ª Câmara Criminal foi unânime

Em julgamento realizado nesta quarta-feira, 19 de junho, a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), por unanimidade, não conheceu do recurso de agravo de instrumento do ex-goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza porque faltava a documentação necessária para a análise do pedido.

A defesa requereu a anulação da decisão que considerou falta grave o comportamento do ex-goleiro quando cumpria pena em regime semiaberto em Varginha. Em razão da falta disciplinar, ele foi transferido para a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, em regime fechado. Em fevereiro passado, uma liminar autorizou o retorno dele a Varginha, onde permanece em regime fechado.


Com a decisão de hoje, proferida pelo relator desembargador Doorgal de Andrada, a situação do ex-atleta se mantém inalterada.

Escute abaixo o podcast com a entrevista do desembargador Doorgal de Andrada:


Fonte: TJMG

Justiça vai ouvir testemunhas da tragédia em Brumadinho

Defensoria e Ministério Público vão indicar testemunhas até 28 de junho

Testemunhas e vítimas da tragédia ocorrida com o rompimento das barragens da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, serão ouvidas pela primeira vez na Justiça, em audiências na 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias, na capital. A Defensoria Pública e o Ministério Público, dois dos autores do processo de antecipação de tutela movido contra a mineradora Vale S.A., têm até 28 de junho para indicar os nomes das testemunhas para as audiências, que serão realizadas em 9 de julho e 6 de agosto.

As datas foram definidas em audiência de conciliação na tarde de hoje, 18 de junho. O juiz Elton Pupo Nogueira conduziu, em cinco horas de negociação, diversas tentativas de acordo, como o pagamento da dívida dos produtores rurais atingidos pela lama e o futuro abastecimento de água na capital.

A Justiça vai enviar ofício ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal, ao Ministério da Agricultura e à Casa Civil da Presidência da República para identificar os produtores rurais que têm contrato de crédito e dívidas com instituições financeiras. O pedido vai envolver moradores de 24 municípios mineiros.

Abastecimento de água

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) apresentou relatórios para comprovar a quantidade de água nos reservatórios que abastecem a Região Metropolitana da capital. A empresa constatou que, no pior dos cenários, o desabastecimento na região ocorreria em junho de 2020.

Por isso, o juiz Elton Pupo Nogueira determinou que a Vale e a Copasa apresentem, até o início do próximo mês, um plano de atuação para fornecimento de água, já que tinha ficado definido que a mineradora iria construir um novo sistema de captação de água no Rio Paraopeba, até setembro de 2020, ou seja, prazo insuficiente para evitar um possível desabastecimento.

Na audiência, também foi apresentado o nome da instituição eleita para executar a assessoria técnica independente em favor dos atingidos em Mário Campos, São Joaquim de Bicas, Betim, Igarapé e Juatuba. A Associação Estadual de Defesa Ambiental e Social (Aedas) vai viabilizar a reparação integral dos danos causados aos moradores.

Foi marcada ainda uma audiência para 8 de julho, quando serão juntados aos autos informações sobre a captação de água, as dívidas dos produtores rurais e outras questões processuais.


Processo n. 5010709-36.2019.8.13.0024.

Fonte: TJMG

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Operação “Nosferatus” em Muriaé: PC conclui investigação sobre corpos carbonizados e indicia quatro pessoas

A Polícia Civil de Minas Gerais identificou a autoria dos crimes relativos ao caso em que dois corpos carbonizados foram encontrados na manhã do dia 19 de abril, no interior de um veículo, na estrada rural que dá acesso ao Distrito de Itamurí. Quatro pessoas foram indiciadas pelos crimes de latrocínio, ocultação de cadáver, associação criminosa armada e coação de testemunha. 

Entre os suspeitos, há um jovem de 22 anos, de Linhares/ES; um homem de 43 anos, e a companheira dele, de 37 anos, de Miradouro; e outro homem de 34 anos, de Orizânia. Durante a operação “Nosferatus”, realizada nos meses de abril e maio pela Polícia Civil, eles foram presos temporariamente e podem ter suas prisões convertidas em preventivas.

Conforme informações do Delegado Tayrone Espíndola, a investigação foi realizada pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa - DHPP, com o apoio da Agência de Inteligência - AIP, da 4ª Delegacia Regional de Muriaé, e revelou que as vítimas foram identificadas como José Renato Sergio de Oliveira, 40 anos, e Luciano de Paula Carneiro, conhecido como “Fisiquinha”, 28 anos.

De acordo com a apuração, as vítimas teriam sofrido uma emboscada na noite do dia 18 de abril, quando estariam chegando ao acesso à BR e foram alvejadas por diversos disparos de arma de fogo. Em seguida, os executores teriam ateado fogo no veículo para ocultar os corpos e dificultar a identificação. “O motivo do crime, segundo levantado, seria o interesse dos executores no recebimento de um trator roubado pelas vítimas no dia anterior, dia 17 de abril, em Miraí, e escondido numa propriedade rural que fica em Itamurí”, contou o Delegado.

De acordo com a autoridade policial  “ao tomarem conhecimento de que o bem seria negociado com um comprador do Espírito Santo, os autores agiram em conluio com este, invertendo e assumindo pra si a posse do bem roubado, de maneira que eles ficassem com o produto da subtração, ao invés dos verdadeiros autores do roubo”.


Durante a investigação, que teve uma de suas fases deflagrada em Linhares, no Espírito Santo, com o apoio da Polícia Civil daquele Estado, seis pessoas chegaram a ser presas. “Ao final, quatro foram indiciados”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Polícia Civil

Aneel divulga Reajuste Tarifário Anual da Energisa Minas Gerais

Compra de energia teve impacto no reajuste em função, principalmente, da maior escassez hidrológica no país; reajuste da parcela que cabe à distribuidora é de apenas 0,98%

A Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL aprovou nesta terça-feira (18/6) durante reunião pública, o reajuste tarifário da Energisa Minas Gerais – Distribuidora de Energia S/A (EMG). Os novos índices entram em vigor a partir do dia 22 de junho. A concessionária atende cerca de 457 mil unidades consumidoras localizadas em 66 municípios de Minas Gerais.

O índice de reajuste da EMG foi positivo pelo impacto dos componentes financeiros e custos de compra de energia. A concessionária adquire energia da Usina de Itaipu e esta transação é precificada em dólar.


O quadro abaixo apresenta o efeito médio que será percebido pelos clientes.


Na tabela a seguir, pode-se observar o Efeito Médio Total de 6,73% aberto por componente tarifário:


A Compra de Energia é responsável por +7,90% do efeito médio, cujo o principal ofensor é a situação hidrológica vivenciada no país nos últimos meses, provocando o acionamento de geradores termoelétricos com elevados custos.

Os Encargos Setoriais apresentaram uma queda de -2,41%, em função do encerramento do recolhimento da quota CDE Energia, cujo objetivo era repor as despesas extraordinárias incorridas em 2013, que foram custeadas pelo Tesouro Nacional e a antecipação dos pagamentos da CDE Conta ACR, que terminarão em setembro/2019. 

Com destaque, na Distribuição tem-se um impacto de +0,98%, devido a inflação acumulada nos últimos 12 meses, e ao compartilhamento dos ganhos de eficiência da EMG com os consumidores.

Em resumo, o efeito médio total a ser observado pelos consumidores da Energisa Minas Gerais é majoritariamente formado por componentes da Parcela A, ou seja, componentes que não estão sob gestão da distribuidora.

Composição da tarifa de energia

A tarifa de energia elétrica é composta por custos da distribuição, que formam a Parcela B da tarifa, e os custos de transmissão e geração de energia, além de encargos e impostos, chamados de Parcela A. O preço final da tarifa é dividido, portanto, em duas parcelas:

  • Parcela A – trata-se de custos cujos montantes e preços escapam à vontade ou gestão dadistribuidora, que atua apenas como arrecadadora;
  • Parcela B – custos diretamente gerenciáveis, administrados pela própria distribuidora, como operação e manutenção e remuneração dos investimentos.
Veja na conta de luz abaixo a composição da tarifa e a distribuição de valores entre parcelas A e B:















Nos processos de Reajustes Tarifários Anuais, a Aneel promove um reajuste na tarifa vigente a fim de corrigir seu valor pelo índice de inflação acumulado no último ano. Além disso, nesse processo a Aneel aplica um fator de ajuste que visa compartilhar com seus consumidores o ganho de eficiência obtido pela empresa e, com isso, diminuir o impacto do índice de reajuste anual.

Um dado relevante é que o reajuste da tarifa manteve-se abaixo dos índices que medem a inflação, conforme demostra o gráfico abaixo. 






Encargos e impostos na tarifa

A ilustração abaixo mostra a divisão da fatura de energia elétrica em cada um dos itens que compõem a cadeia do setor elétrico brasileiro, considerando a receita da concessionária acrescida dos impostos e tributos (ICMS, PIS/COFINS). A tarifa final do consumidor da Energisa Minas Gerais contém 41,71% de encargos e impostos.























A parte que cabe à distribuidora de energia representa apenas 22,14% da composição da tarifa. É por meio dessa parcela que a Energisa Minas Gerais distribui energia a todos os clientes, paga funcionários, fornecedores e prestadores de serviço, mantém e amplia a rede e os sistemas elétricos, além de investir na modernização e melhoria crescente da qualidade dos serviços prestados.

Dicas de Economia e Tarifa Social

Vale lembrar que existem alternativas para reduzir a conta de luz, como a Tarifa Social de Energia Elétrica onde famílias com renda de até meio salário mínimo por pessoa têm direito ao benefício, concedido pelo Governo Federal, e podem obter descontos de até 65% na tarifa. Para se cadastrar no programa é preciso procurar o Centro de Referência em Assistência Social da cidade com documentos pessoais e o número de NIS. Após realizado o cadastro, o cliente deve procurar um posto de atendimento da EMG para finalizar o processo.

Outra forma é reduzir o consumo de energia, e pequenas ações no dia a dia podem fazer a diferença. Além do site da EMG, o cliente pode obter dicas nos canais nas redes sociais – principalmente o Twitter, Facebook e o BrandChannel no You Tube –, fontes importantes de informação sobre consumo consciente. Nos sites da Energisa é possível encontrar ainda vídeos explicativos que facilitam o entendimento do consumidor a respeito da conta, da composição da tarifa e sobre como é possível economizar.

Um aspecto fundamental que pressiona a tarifa é o furto de energia. Para se ter uma tarifa de energia mais barata no futuro, é necessário que as pessoas não façam e não aceitem o furto de energia. Essas irregularidades, além de impactarem o valor da conta de luz, prejudicam a qualidade do fornecimento, provocam acidentes que podem ser fatais e reduzem a arrecadação de impostos que poderiam ser revertidos em benefícios para toda a população.

Fonte: ANEEL e Assessoria de Comunicação da Energisa

terça-feira, 18 de junho de 2019

Estado e municípios homologam acordo para quitar dívidas

745 municípios já aderiram ao compromisso e prazo para adesão dos demais foi prorrogado para 15 de julho

O prefeito Neider Moreira (Itaúna), Julvan Lacerda (AMM), a desembargadora Juliana Campos, o presidente Nelson Missias de Morais, a desembargadora Mariangela Meyer, o advogado-geral Sérgio Pessoa e os prefeitos Hélio Márcio (Ouro Branco), Antônio Divino (Matozinhos), Eneimar Adriano Marques (Jaboticatubas) e José de Freitas Cardoso (Congonhas). Foto: Cecília Pederzoli
A sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) foi palco, nesta segunda-feira, 17 de junho, da sessão de homologação da adesão de seis municípios, representando os demais, ao acordo firmado entre o Estado de Minas Gerais e a Associação Mineira de Municípios (AMM). 

O acordo prevê o pagamento em 33 parcelas de recursos devidos aos municípios e não repassados pelo estado, referentes ao ICMS, ao IPVA e ao Fundeb. A previsão do início dos pagamentos é fevereiro de 2020.

Na oportunidade, a 3ª vice-presidente do TJMG, desembargadora Mariangela Meyer, anunciou que o prazo para os municípios aderirem ao acordo foi prorrogado para 15 de julho. Ao todo, 745 municípios já aderiram ao compromisso, de um total de 853. O Município de Cataguases está entre os municípios que já optaram pela adesão do acordo. 


Foram homologados os acordos com os Municípios de Matozinhos, Jaboticatubas, Ouro Branco, Moema, Congonhas e Itaúna. A magistrada informou que, até o momento, mais de 200 municípios encontram-se aptos a homologar o compromisso com o estado. As homologações serão assinadas gradativamente.

Melhor opção

O presidente Nelson Missias de Morais ressaltou que o Tribunal de Justiça mineiro tem estendido um braço para quebrar paradigmas e apostar na conciliação como meio alternativo hábil para a resolução de conflitos. O consenso é a forma mais eficaz de resolver questões que envolvem o cidadão. A resposta é ágil, disse.

A desembargadora Mariangela Meyer explicou que os municípios que homologarem o acordo devem abrir mão de ações judiciais que tramitam no Poder Judiciário. Com essa opção, fica assegurado o recebimento dos valores, ao passo que, se mantivessem as ações, ainda que com decisão favorável, o prazo para o recebimento seria mais longo, pois o pagamento seria via precatórios.

O advogado-geral do estado, Sérgio Pessoa, comentou que a homologação das adesões é um momento histórico, tanto para o TJMG, que assume um papel de vanguarda na solução de conflitos que envolvem toda a sociedade mineira, quanto para os prefeitos, que terão mais recursos para dar andamento às demandas dos cidadãos, bem como o próprio estado, que terá resolvido uma demanda importante.

O prefeito de Moema e presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda, também destacou a força da conciliação para equacionar o pagamento da dívida do estado para com os municípios mineiros. “Vamos gastar menos energia com processos judiciais e direcioná-la para outras iniciativas voltadas para o cidadão”, registrou.


Acompanharam a sessão de homologação do acordo a desembargadora Juliana Campos, responsável pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do 2º Grau, que coordenou as negociações; o advogado-geral adjunto, Luciano Neves; e os advogados Flávio Gambogi e Wederson Advíncula, representantes da AMM.

Confira o acordo aqui.

Fonte: TJMG

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Acidente na BR-116 envolvendo motocicleta registrada em Cataguases deixa um ferido

Colisão aconteceu com veículo que tentava atravessar a pista no Km 762 da BR-116 em Leopodina

Foto: O Vigilante Online
Um jovem de 21 anos ficou ferido em um acidente na BR-116 na altura do trevo do bairro Três Cruzes em Leopoldina, na noite deste sábado (15). Ele seguia em uma motocicleta Yamaha YBR 125, placa de Cataguases, sentido Muriaé, quando colidiu com um automóvel Fiat Elba, placas de Leopoldina, que atravessava a pista.


O rapaz foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e conduzido com ferimentos leves para a Casa de Caridade Leopoldinense. O condutor do carro de passeio e um carona nada sofreram.

domingo, 16 de junho de 2019

Professores vencem primeira partida da Copa Verão de Futebol Máster


O time Professores Futebol Clube venceu a primeira partida da final da Copa Verão de Futebol Máster - Veteranos 2019, contra o Flamengo, que jogou em casa, no Estádio Rodrigo Lanna.


Com gol de Anjinho o Professores terminou com a vantagem após vencer o Flamengo por 1 a 0 e depende apenas de um empate simples para sagrar-se mais uma vez campeão do futebol máster de Cataguases.


A decisão será no próximo sábado (22) no Estádio Carlos Peixoto (Campo do Operário).

Duas pessoas ficam feridas em acidente no Beira Rio



Um homem e uma mulher ficaram feridos em um acidente entre um carro e uma motocicleta na Avenida Veríssimo Mendonça próximo à entrada do bairro Paraíso na noite deste sábado (15).

De acordo com informações, as vítimas estavam na motocicleta. O casal foi socorrido pelo SAMU e levado para o Hospital de Cataguases. Conforme informado, o homem teve fratura exposta na perna e a mulher várias escoriações.

A Polícia Militar foi acionada, registrou a ocorrência e controlou o trânsito no local. No automóvel ninguém se feriu.

sábado, 15 de junho de 2019

Jovem é assassinado em São João Nepomuceno

Um rapaz de 18 anos foi assassinado na noite desta sexta-feira (14) em São João Nepomuceno. O crime ocorreu por volta das 21 horas na Rua Edna Amorim Rabelo no Bairro Shangrilá. Segundo testemunhas, dois indivíduos chegaram em uma motocicleta e o carona teria efetuado vários disparos em direção ao jovem que se encontrava na rua.

A vítima chegou a ser socorrida e levada para o Pronto Atendimento do hospital da cidade mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Durante o atendimento ele chegou a ser questionado pela polícia se teria reconhecido os autores mas teria dito que não.

Conforme informações, o rapaz foi atingido principalmente nas pernas e teve o rompimento da artéria femoral, vindo a perder muito sangue, ocasionando o óbito.

A Perícia Técnica da Polícia Civil foi acionada e recolheu no local diversas cápsulas de munição calibre 380.


A Polícia Militar realizou rastreamento na região mas ninguém foi localizado. O caso será investigado pela Polícia Civil.

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Escolas estaduais e metade das municipais aderem paralisação nacional contra cortes na educação e a reforma da Previdência

Cerca de 50% das escolas da rede pública municipal de Cataguases, aderiram à paralisação nacional desta sexta-feira (14). As escolas Estaduais no município também aderiram à paralisação. O protesto é contra a reforma da Previdência e o contingenciamento de recursos nas unidades federais de ensino.

Segundo informação da Secretaria Municipal de Educação, as escolas municipais que aderiram completamente a paralisação são:

  • Astolpho Resende.
  • Flavia Dutra
  • Boaventura Abritta -Cataguarino
  • Creche Cantinho Feliz
  • Francisco Rodrigues -Aracati
  • Jose Soares Gonçalves
  • Monsenhor Solindo
  • Carmelita Guimarães
  • Darcilia Guimarães

As escolas que aderiram a paralisação parcialmente são:

  • Enedina Prata
  • Caic
  • Manoel Paes Tiago de Vista Alegre

As demais escolas municipais estão tendo aulas normalmente hoje.

Polícia Civil desvenda caso dos corpos crivados de balas que apareceram boiando no Rio Pomba

A Polícia Civil de Minas Gerais concluiu inquérito sobre um duplo homicídio que vitimou Nasser Kadri e Eneias Mateus de Assis. Em janeiro do ano passado, os corpos das vítimas foram localizados boiando no Rio Pomba, próximo à Leopoldina, com perfurações de arma de fogo.

De acordo com informações do Delegado André Luís Dias Lima, após investigações realizadas pela Delegacia de Homicídios de Leopoldina, quatro homens foram indiciados por duplo homicídio qualificado, associação para o tráfico e furto de veículo qualificado.

Na quarta (12) e quinta-feira (13), foram cumpridos mandados de prisão preventiva em desfavor dos três suspeitos, 39, 44 e 47 anos, que já se encontravam presos temporariamente por 30 dias, desde o mês de maio. “Durante o curso da investigação, ainda foi identificado um quarto suspeito, que também teve a sua prisão preventiva decretada, mas, até o momento, não foi localizado, estando foragido”, explicou.


Ainda segundo a autoridade policial, o crime teria sido cometido em virtude de uma rivalidade entre grupos que praticam o tráfico de drogas.

Foto: O Vigilante Online

Fabricante de cigarros de palha é alvo de operação de combate à sonegação fiscal

Estimativa de prejuízo aos cofres públicos é de R$ 50 milhões, informa Secretaria de Estado de Fazenda

Foto: Divulgação/SEF
Força-tarefa constituída pela Receita Estadual, Ministério Público de Minas Gerais e Polícia Civil desencadeou, nesta quinta-feira (13/6), a operação "Paieiro”. A açao conjunta faz parte das investigações que apuram esquema de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro envolvendo o grupo Souza Paiol, atuante no mercado de fabricação de cigarros de palha.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão - expedidos pela Justiça - em endereços comerciais e residenciais no município de Pitangui, na região Centro-Oeste do estado. Durante a operação, foram apreendidos documentos, cigarros e cerca de R$ 1 milhão em espécie, além de duas armas e munições.

As investigações começaram a partir do trabalho da Receita Estadual de análise das entradas de mercadorias nas indústrias em geral no Estado de Minas Gerais. Com relação a empresa investigada, foi identificada uma discrepância muito grande entre o volume de entrada de matérias-primas e as saídas de mercadorias.

"Basta dizer que nos últimos dois anos nós verificamos entrada de 140 mil metros de tubos plásticos para produção de anilhas e no mesmo período vimos um faturamento médio de R$ 22 mil em saídas. Isso é incompatível, pois cada metro desse tubo é capaz de produzir 15 mil anilhas para a produção de cigarros. E o contribuinte informava que vendia em torno de 2.200 maços de cigarro, quando na verdade estava produzindo e vendendo 1,250 milhão de maços mensalmente, como já temos informação a partir dos dados apreendidos", afirmou o auditor fiscal Pierre Julião.


A estimativa da Receita Estadual é que a sonegação da empresa seja da ordem de R$ 50 milhões, em relação às operações dos últimos cinco anos. "Esses são dados preliminares. Podemos, a partir dos materiais apreendidos, ter informações que nos levem a um volume muito maior de sonegação", complementou Julião.

O promotor de Justiça do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (Caoet), Hugo Barros, revela que o recurso sonegado foi movimentado "de forma espúria" pelos responsáveis, que tentaram lavar o dinheiro usando conta bancária de terceiro, a mãe de um dos investigados. Segundo ele, apenas no mês de agosto de 2018, essa conta movimentou cerca de R$ 6 milhões. “Nos demais meses, também movimentaram grandes quantias de dinheiro e depois compraram bens e colocaram em nome de empresas de participação como forma de blindar esse patrimônio”, disse.

De acordo com o promotor, além dos pedidos de busca, houve a solicitação para o bloqueio de contas bancárias, especialmente daquelas utilizadas para possível lavagem de dinheiro. “O MPMG espera bloquear ao menos uma parte dos valores sonegados para possibilitar o ressarcimento ao erário”, acrescentou.

As investigações apontam que um grande volume de produção e venda não declarado gerou um lucro que pode ter sido usado para a aquisição de mais de uma dezena de imóveis, alguns de alto valor, em bairros nobres de Belo Horizonte e Nova Lima.


Foto: Divulgação/SEF

Cira

A operação é mais uma ação conjunta desenvolvida no âmbito do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira) e contou com a participação de 29 servidores da Receita Estadual, três promotores de Justiça, dois delegados e 18 agentes da Polícia Civil.

Fonte: Agência Minas

quinta-feira, 13 de junho de 2019

Após esgotar estoque SMS volta a disponibilizar vacina contra gripe apenas para público alvo em Cataguases

A Secretaria Municipal de Saúde comunicou na noite desta quarta-feira (12), que devido à grande procura, as vacinas contra a gripe que sobraram da Campanha Nacional e haviam sido disponibilizadas para a população em Cataguases, se esgotaram. Desta forma, não há mais vacinas contra a Influenza nos Postos de Saúde e no Centro de Imunização para a população. 

Segundo a coordenadora de epidemiologia da SMS, Tairises Roque, a Gerência Regional de Saúde em Leopoldina já liberou para Cataguases um pequeno estoque para os grupos prioritários que ainda não atingiram a meta de vacinação de 90%. 

O novo lote será disponibilizado como no início da campanha, para crianças maiores de 6 meses que ainda não completaram 6 anos, gestantes, puérperas, idosos e pessoas com doenças crônicas. As doses serão aplicadas através de busca ativa, ou seja, agentes de saúde farão a procura por esse público que ainda não se vacinou.

Conforme a coordenadora, o trabalho vai até sexta-feira (14) e caso haja novamente excedente deste estoque a vacina poderá ser novamente liberada para a população a partir de segunda-feira.

Com informações da Prefeitura de Cataguases

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Polícia Civil realiza leilão de 214 veículos em Ubá

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou, no último sábado (08) , no município de Ubá, um leilão presencial com 214 lotes de automóveis e motocicletas. Os veículos, disponibilizados aos interessados que participaram do leilão, foram removidos por infrações de trânsito e recolhidos ao pátio credenciado do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG), Pátio Ubá, há mais de 60 dias.


O evento foi realizado no Clube Pimenta Music, localizado na Av. dos Ex-Combatentes, 210, no Bairro Santa Luzia. Os veículos foram arrematados por cerca de 400 participantes, maiores de 18 anos e/ou pessoas jurídicas cujo objeto social seja a desmontagem de veículos automotores e que estão devidamente credenciadas junto ao Detran-MG.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Polícia Civil

Adolescente é apreendido com drogas em Além Paraíba


Na tarde dessa segunda-feira (10), a Polícia Civil de Minas Gerais localizou drogas, no Morro do Timbira, em Além Paraíba, na residência de um adolescente de 17 anos, apreendido pela prática de ato infracional análogo ao crime de tráfico de drogas. 

Após apurações da inspetoria de investigadores da 28ª Delegacia de Além Paraíba, que indicavam que havia um ponto de tráfico no local, foi deflagrada a ação, resultando na apreensão de cinco pinos de substância análoga à cocaína e de quatro buchas de substância análoga à maconha, localizados no quarto do menor, em uma gaveta. 

Os policiais civis também encontraram uma bolsa contendo 52 pinos de substância análoga à cocaína e 24 buchas, bem como cinco tabletes, de substância análoga à maconha. 

Conforme informações do Delegado Marcos Vignolo Alves, o adolescente teria assumido a propriedade da droga. O jovem foi entregue ao responsável legal, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Fonte: Assessoria de Comunicação da Polícia Civil

Vacinas contra gripe e sarampo estão disponíveis em Cataguases

Além das doenças causadas pelo Aedes aegpty, uma das preocupações da Secretaria de Saúde de Cataguases é com a vacinação contra a gripe e também contra o sarampo. Devido à baixa procura por imunização contra a gripe, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) disponibilizou a mesma para toda a população. A vacinação está disponível nos postos de saúde e no Centro de Imunização da Policlínica Municipal, enquanto durarem os estoques. Além da vacina contra a gripe, Tairises Roque, coordenadora de epidemiologia da SMS, informa que está sendo oferecida também a vacina contra o sarampo, chamada de Tríplice Viral, porque além do sarampo ela protege também contra a caxumba e a rubéola.


“Tivemos um caso registrado desta doença na área de nossa Superintendência Regional, o que deixou todos os municípios vizinhos em alerta. Além disso, com a realização da Copa América no Brasil, em meados de junho até meados de julho, teremos uma grande circulação de pessoas no país, o que pode contribuir para o surgimento de casos de sarampo”, observou Tairises Roque. A vacina Tríplice Viral também pode ser solicitada nos Postos de Saúde e no Centro de Imunização.

Fonte: Prefeitura de Cataguases

Empresa de ônibus de Cataguases terá de indenizar familiares de vítima de atropelamento em mais de R$ 300 mil

Uma empresa de ônibus de Cataguases foi condenada a pagar aos familiares de um homem atropelado por um coletivo da empresa a quantia de R$ 300 mil por danos morais e R$ 1.162 por danos materiais. A decisão é da 11ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que reformou a sentença da Comarca de Cataguases.

Os autores da ação, esposa e filhos da vítima, narraram nos autos que em 2 de novembro de 2009 o familiar foi atropelado por um ônibus urbano da empresa e morreu. O acidente ocorreu na Avenida Coronel Artur Cruz, próximo ao número 561, no Bairro Granjaria, em Cataguases.

Segundo eles, o ônibus ficou desgovernado porque a barra de direção soltou, levando-o a colidir com outros veículos e a atropelar a vítima, que estava conversando com o proprietário de um dos carros.

Na Justiça, pediram que a empresa os indenizasse pelos danos morais suportados em função do acidente e fosse condenada a ressarci-los dos valores gastos com o velório.

Em primeira instância, a empresa foi condenada a pagar R$ 581 por danos materiais e R$ 100 mil por danos morais, na proporção de 40% para a viúva e 20% para cada um dos filhos.

Diante da sentença, a família recorreu, sustentando que não havia comprovação de que houve culpa concorrente da vítima, que estava na calçada. Afirmaram que o fato de ela estar conversando com o motorista de um dos veículos atingidos, em via pública, não implicava ato culposo.

Defenderam ainda que houve uma falha mecânica grosseira no veículo da empresa, conforme demonstravam as reportagens juntadas à inicial, e sustentaram que, ainda que se admitisse a culpa concorrente, não era justa a redução de 50% sobre a indenização prevista, como determinado na sentença.

Para os familiares, a eventual culpa da vítima “(...) seria muito menor do que aquela do transportador, que negligenciou grotescamente a manutenção de um ônibus de sua propriedade”. Pediram ainda que a indenização fosse aumentada para R$ 300 mil.

A empresa, por sua vez, pediu que o valor definido pelo dano moral fosse reduzido. Alegou que o problema mecânico enfrentado pelo ônibus era “inevitável e imprevisível” e não podia ter a mesma valoração da conduta da vítima, que “poderia ser evitada” e possuía “resultado previsível”.

Entre outros aspectos, destacou que a contribuição da vítima para o acidente tinha sido muito maior e que o juiz se equivocou ao fixar em “partes iguais” o valor da indenização para cada filho, tendo em vista que alguns deles nem sequer conviviam com o pai, vítima do acidente.

Responsabilidade objetiva

Ao analisar os autos, a desembargadora Mônica Libânio observou que a controvérsia estava em analisar se a culpa do acidente era concorrente ou não e, em caso positivo, verificar se a proporção considerada em primeira instância se revelava condizente com a parcela de culpa de cada envolvido.

Inicialmente, a desembargadora observou também que a empresa, na qualidade de concessionária de serviço público, respondia direta e objetivamente pelos danos causados a terceiros, fossem eles usuários ou não dos serviços, de acordo com a Constituição Federal, exceto em casos de culpa exclusiva da vítima.

Após a análise do depoimento do motorista e do laudo pericial, a desembargadora julgou que a vítima não contribuiu para a fatalidade, pois ficou comprovada a falha mecânica do ônibus, o que gerou a perda de controle do veículo pelo motorista.

“Dessa forma, não é cabível imputar à vítima qualquer culpa pela ocorrência do acidente, pelo simples fato de que estava na via conversando com o motorista de veículo que se encontrava estacionado”, destacou a desembargadora.

Na avaliação da relatora, a ocorrência do sinistro se deu exclusivamente em razão da imprudência e da negligência da empresa, que não agiu de forma adequada a prevenir o acidente.

Para a magistrada, o acidente poderia ter sido evitado se a empresa tivesse mantido seus veículos em bom estado para a circulação, sendo que não demonstrou nos autos que seus carros eram submetidos a revisões e a manutenções preventivas.

Assim, determinou que a empresa de ônibus arcasse com a integralidade dos danos morais e materiais. Além disso, tendo em vista as peculiaridades do caso e a condição econômica da empresa, aumentou o dano moral para R$ 300 mil – R$ 75 mil para cada autor.


Os desembargadores Shirley Fenzi Bertão e Marcos Lincoln votaram de acordo com a relatora.

Fonte: TJMG

terça-feira, 11 de junho de 2019

Duas pessoas morrem em acidente próximo a Tabuleiro

Um capotamento na MG-133, próximo a Tabuleiro, cerca de 76 quilômetros de Cataguases, deixou duas pessoas mortas na noite deste domingo (9).

Segundo informações, as vítimas trafegavam em um Ford Ranger, placas de Juiz de Fora, quando o condutor perdeu o controle da direção e capotou. Duas mulheres de 50 e 62 anos foram arremessadas para fora do veículo e morreram na hora. O condutor, de 58 anos e um carona do banco da frente, de 49 anos não se feriram por estarem usando o cinto de segurança.

O automóvel caiu em uma ribanceira e foi retirado na segunda-feira (10). Não houve interdição da pista.

Conforme a Polícia Militar Rodoviária (PMR), o condutor admitiu ter ingerido bebida alcoólica em um restaurante às margens da rodovia. O teste do bafômetro acusou índice de 0,21 mg/L e depois 0,20 mg/L  na contraprova, configurando assim infração de trânsito. Ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil de Juiz de Fora onde foi ouvido pela autoridade judiciária de plantão teve sua CNH recolhida e foi multado por dirigir sob influência de álcool.

Os corpos foram encaminhados para o Instituto Médico Legal de Juiz de Fora.

Com informações e foto do Repórter kadu Fontana

Casos de Febre Chikungunya em Cataguases servem de alerta para intensificar o combate ao Aedes aegpyt

Dois casos suspeitos de Febre Chikungunya foram confirmados no município, sendo um deles na última quarta-feira, dia 5 de junho. Desde o início do ano, foram notificados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) oito casos suspeitos da doença e os dois casos confirmados aconteceram em maio e neste mês de junho. Conforme lembrou a coordenadora de epidemiologia da SMS, Tairises da Silva Roque, somente as ações de prevenção ao mosquito podem evitar a doença. Entre elas, que são fartamente divulgadas, estão manter quintais limpos, eliminar os depósitos que acumulam água e permitir que os agentes de controle de endemia entrem nas residências para efetuarem o tratamento de ralos, vasos de planta, entre outros possíveis criadouros do mosquito transmissor da doença.

A Chikungunya é transmitida pelo mesmo mosquito que é vetor da Dengue e do Zica Vírus, o Aedes aegpty. Sobre a Dengue, Tairises informa que aconteceram 118 notificações de casos suspeitos da doença este ano, sendo que quinze foram confirmados como sendo Dengue. “Isso mostra que o mosquito está presente e, embora os números não cheguem a ser alarmantes é importante destacar que as doenças transmitidas pelo Aedes, que antes eram mais comuns no verão, agora estão surgindo durante todo o ano, o que nos alerta para a constante vigilância de nossas residências, onde acontecem a maioria dos casos de proliferação do mosquito. E isto deve ser uma rotina dos moradores o ano todo”, ressalta.

Ela também falou sobre as subnotificações de dengue e outras doenças de notificação compulsória, que ocorrem quando o paciente procura atendimento particular ou através de plano de saúde e não são comunicados à Secretaria de Saúde. “Estimamos que haja cerca de 50 a 60% de subnotificações na cidade, principalmente de dengue. Isto nos traz um transtorno porque somente com os dados corretos poderemos ter a noção exata do que ocorre em nossa cidade e tomar as medidas corretas para o controle da doença. Por isso, é importante que as pessoas que procuram o atendimento particular ou por plano de saúde peçam a seu médico para informar a Secretaria de Saúde para que possamos notificar todos os casos”, afirmou a coordenadora de epidemiologia.


Fonte: Prefeitura de Cataguases