quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Tricô feito na penitenciária de Juiz de Fora desfila no São Paulo Fashion Week

Fio por fio, as peças em tricô e crochê feitas pelos detentos da Penitenciária Professor Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora, na Zona da Mata, vão tomando forma e conquistando cada vez mais destaques. Nesta semana, elas chegam às passarelas da São Paulo Fashion Week (SPFW), principal evento de moda do país. O trabalho, realizado por meio do projeto Flor de Lotus, em parceria com a marca Doisélles, da estilista mineira Raquell Guimarães, fará parte da coleção de inverno 2015 da Iódice, uma das principais grifes a desfilar na 38ª edição do SPFW. O desfile será nesta quarta-feira (5), no Parque Villa-Lobos, em São Paulo.

As 20 peças que irão compor o desfile da grife foram elaboradas por 18 detentos da unidade prisional que participam do projeto. Eles trabalham dentro de um ateliê montado na Penitenciária e são divididos em duas turmas que confeccionam peças em tricô e crochê e peças de macramê, utilizando fios feitos de garrafa pet. Para participar do projeto, os presos fazem um teste de habilidade, ter bom comportamento e estarem estudando.

A habilidade é uma das principais barreiras enfrentadas pelos detentos, além do preconceito em realizar uma atividade, a princípio, de mulheres. “Depois de conversarmos com a Raquell, percebemos que era uma oportunidade que iria nos ajudar a reduzir o tempo de prisão e também nos oferecer a chance de fazer coisas novas. Hoje vejo que valeu a pena, inclusive superar as ´zoações`, porque o melhor já aconteceu, que é a valorização do nosso trabalho”, lembra o detento Luiz Paulo, mais conhecido como “Pacheco”.

O projeto Flor de Lótus é uma parceria que existe há cinco anos entre a Penitenciária e a Doisélles.  Ao longo desse tempo foram várias feiras, eventos de moda e peças produzidas para a exportação. “Depois de tanto trabalho e dedicação, participar do São Paulo Fashion Week é um dos frutos que eles colhem”, comenta a diretora-geral da penitenciária, Ândrea Andries Valéria Pinto. “É um fluxo natural da evolução do trabalho deles, que atingiu um grau de excelência, e é lógico que isso se deve também à visão da Raquell, que percebeu a qualidade das peças e viu que eles iriam longe.”

A produção dos presos de Juiz de Fora já ganhou o mundo e são exportadas para 11 países. As peças são vendidas em feiras em Paris e Tóquio e 70 lojas multimarcas no Brasil. Hoje, está sendo avaliada a abertura de uma nova turma, por meio de parceria, em uma unidade prisional de Ribeirão das Neves.

Fonte: Agência Minas

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila