terça-feira, 10 de março de 2015

Presos da cidade de Ubá trabalham em várias obras no município

Vinte custodiados do Presídio de Ubá, na Zona da Mata, estão trabalhando em obras na cidade graças ao projeto ‘Defesa Social, Mudando a Realidade’, criado pela direção da unidade, com o aval da Vara de Execuções Penais da comarca. O objetivo é a ressocialização dos presos, que já participaram de construções e reformas de prédios públicos como escolas, igrejas e inclusive do presídio onde se encontram detidos.

A iniciativa teve início em março do ano passado, quando a Escola Estadual Professor Levindo Coelho solicitou ao presídio mão-de-obra para auxiliar numa reforma. “Quando a direção do colégio nos procurou, conversamos com o juiz de Execução sobre a ideia de expandir o trabalho para outras construções do município. Ele aprovou a proposta e, a partir disso, começamos a planejar melhor a ação”, relata o diretor de segurança do presídio, Nelson Sales Barbosa Junior.

O desenvolvimento da ação conta com o apoio da iniciativa pública e privada da cidade. Atualmente, os presos estão trabalhando na reforma de duas escolas e na construção de uma igreja. Pintura, consertos de lâmpadas e cadeiras, jardinagem e até construção de muros são feitos pelos detentos. "Aproveitamos tudo que eles sabem fazer. Eles ficam na escola das 8h às 16h e nesse período conseguimos restaurar muita coisa", afirma o diretor-geral do presídio, Alexandre Henrique Ferrari.

Todos os internos que participam do projeto foram selecionados por meio da Comissão Técnica de Classificação (CTC). Eles são avaliados por psicólogos, assistentes sociais, equipe de segurança e setor de inteligência. Os aprovados participam de um treinamento nas obras de ampliação em andamento na unidade. A capacitação é coordenada por um mestre de obras cedido pela prefeitura do município e outros profissionais da Secretaria Municipal de Obras.

Para Ferrari, a ação dá aos detentos uma oportunidade de se profissionalizarem e também os aproxima da comunidade: “A sociedade tem um anseio muito grande de querer ver o preso trabalhar. Além de garantir o aproveitamento da mão de obra carcerária, o projeto proporciona a remição de pena por meio do tempo que os presos dedicam ao trabalho. Dessa forma, o ‘Mudando a Realidade’ ainda auxilia no cumprimento correto da Lei de Execuções Penais”.

Ressocialização

A unidade também se destaca por outras ações de ressocialização ofertadas para os custodiados. Além do grupo que trabalha em obras na cidade, 40 detentos têm atividades externas. Destes, 20 trabalham na fábrica Cier Móveis e cinco estão construindo uma quadra poliesportiva no 21° Batalhão da Polícia de Ubá. Outros 15 custodiados frequentam diariamente a Associação Municipal de Amparo ao Recuperando (Amar), onde fazem cursos de costura, de informática e artesanato, e aulas de educação física.

Remição de pena

Como forma de incentivo e promoção da ressocialização, a Lei de Execução Penal determina que os detentos que trabalham e estudam tenham direito à redução da pena. Para aqueles que trabalham, a cada três dias de atividades realizadas, um dia é remido da sentença. Para aqueles que estão matriculados em algum curso e frequentando as aulas, cada 12 horas de estudos equivale a um dia a menos no sistema prisional.
Fonte: Agência Minas

Farmácias de Plantão em Cataguases
04 Domingo
05 Segunda
06 Terça
07 Quarta
08 Quinta
09 Sexta
10 Sábado
FarmaCenter São Geraldo Droganova São Francisco N. Sra. Aparecida Brasil Sta Tereza
N. Sra Rosário Silveira Farmanossa Cataguases Campinho São Mateus Silveira II