terça-feira, 19 de maio de 2015

Campanha estimula denúncias contra exploração sexual infantojuvenil

A Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (SEDPAC) do Governo Estadual, realizou nesta segunda-feira (18), “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescente” um reforço nas ações da campanha "Projeta Nossas Crianças". 

Durante toda a manhã, caminhoneiros foram abordados e receberam folhetos explicativos sobre o que é a violência e a exploração sexual e como denunciá-la. A ideia é que estes motoristas sejam parceiros no combate ao abuso e exploração de crianças denunciando e divulgando os canais de denúncia. É que as rodovias são pontos mais vulneráveis no estado.

Segundo dados da Polícia Rodoviária Federal, Minas é o estado com a maior quantidade de pontos de exploração sexual infantil nas estradas. Foram registrados aqui 314 registrados, 16% dos 1.969 pontos em toda a malha rodoviária do país. 

Ainda na manhã desta segunda-feira, participantes do Projeto Fica Vivo! fizeram um grafite na Ceasa de Contagem para chamar atenção para a causa.  Ao meio-dia, os atendentes do Núcleo de Atendimento às Vítimas de Crimes Violentos (NACV) fizeram uma roda de conversa com servidores na cidade administrativa para discutir o tema. A PRF participou da campanha distribuindo de kits, folhentos e exibindo  o filme “Mudança de Rumo” no posto de Betim.

Para a coordenadora Especial da Política Pró-criança e Adolescente da SEDPAC, Célia Nahas, ações deste tipo têm efeito imediato “Todas as vezes que há mobilização social a quantidade de denúncias aumenta. É que a simples distribuição de um folheto convida o cidadão a estar mais atendo e participar informando situações suspeitas de abuso e violência sexual”.

Pais devem estar atentos

De acordo com a psicóloga do Serviço Especializado de Atendimento à Vítima de Violência Sexual do Hospital Júlia Kubitschek (HJK), Meire Cassini, 74% dos casos recebidos em 2014 foram de crianças e adolescentes. Desse percentual, 83% são meninas. Os atendimentos também têm aumentado: em 2013, foram 74. No ano passado, o aumento foi 71%, totalizando 127 casos. Só nos quatro primeiros meses de 2015 já foram notificados 34 casos.

A psicóloga afirma que mais de 80% dos casos de violência sexual infanto-juvenil atendidos na unidade são intrafamiliares e que é recorrente que as vítimas sintam-se culpadas pela agressão sofrida. Por isso, há a dificuldade de relatar o que está acontecendo e de pedir ajuda. “Os pais devem ficar atentos a algumas mudanças comportamentais que podem ser um indício de que a criança ou adolescente está sofrendo esse tipo de violência. Confira os possíveis sinais no facebook/governomg.

Se a violência acontecer, procure as rede de referência no estado

Os hospitais Júlia Kubitschek, Maternidade Odete Valadares (MOV), da Rede Fhemig, juntamente com o Hospital das Clínicas e Odilon Behrens estão oficialmente listados como serviços de referência para atendimento às vítimas de crimes sexuais.

A rede de referência vai acolher o paciente – oferecendo todo o suporte assistencial necessário – e encaminhar os vestígios para exame genético no Instituto de Criminalística do Instituto de Medicina Legal (IML). Tal conduta elimina a necessidade de que vítima repita o mesmo depoimento na delegacia, na unidade de saúde e no IML e reviva as lembranças da violência sofrida.

O que é violência sexual

Acontece quando uma criança ou adolescente é usado para estimulação ou satisfação sexual de um adulto. É normalmente imposto pela força física, pela ameaça ou pela sedução. É crime previsto no artigos 213 a 218 do Código Penal com pena de 2 a 12 anos de reclusão dependendo do caso.

Também é quando a vítima é exposta em situação de sexo através de foto, vídeo ou outro registro ou ainda quando é submetida à prostituição. Crimes previsto no artigo 241A do Estatuto da Criança e adolescente com pena de 3 a 10 anos dependendo do caso. 

O que é exploração sexual

Acontece quando a criança é exposta em diversas situações com o objetivo de  incitar a prostituição infantil. Crime previsto no art. 244 do Estatuto da Criança e do Adolescente com penas que variam de 4 a 10 anos de reclusão dependendo do caso.  O cidadão deve denunciar sempre que ver alguma situação que possa indicar violência, abuso ou desrespeito à criança e adolescente.

Como denunciar

Disque 100- O Disque Direitos Humanos – Disque 100 é um serviço mantido gratuitamente pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR). As ligações podem de feitas de  parte do país a partir de telefone fixo ou celular. Todas as denúncias recebidas são encaminhadas às autoridades locais competentes. O anonimato é garantido.

0800 031 1119- Número de denúncias do governo do estado recebe informações e denúncias de todos os municípios mineiros, encaminha a rede municipal de atendimento local e monitora as ações. As denúncias podem ser anônimas ou, quando solicitado pelo denunciante, é garantido o sigilo da fonte das informações.

Sobre a data

No dia 18 de maio de 1973, a menina Araceli, de 8 anos, foi sequestrada, violentada e assassinada em Vitória, no Espirito Santo. Seu corpo apareceu seis dias depois, carbonizado, e seus agressores nunca foram punidos. A data ficou instituída como o “Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, a partir da aprovação da Lei Federal nº. 9.970/2000, e tem como objetivo mobilizar e convocar a sociedade brasileira para o engajamento contra a violência sexual infanto-juvenil.
Fonte: Agência Minas

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila