sábado, 9 de maio de 2015

Penitenciária de Muriaé vai doar peixes criados pelos detentos

Está marcada para segunda quinzena deste mês a primeira despesca dos criatórios da Penitenciária Manoel Martins Lisboa Junior (PDMMLJ), em Muriaé, na Zona da Mata. Os peixes serão preparados no refeitório do presídio para as refeições servidas a detentos e funcionários e o excedente será doado a instituições sem fins lucrativos da cidade.

O objetivo inicial do projeto foi dar qualificação
profissional e ocupação aos presos
A alimentação e o manejo de peixes das espécies tilápia e carpa são feitos por dez detentos da PDMMLJ. Eles foram treinados e têm acompanhamento de engenheiros agrônomos voluntários.

O objetivo inicial do projeto foi dar qualificação profissional e ocupação aos presos, que assim ganham um dia de remissão de pena a cada três dias trabalhados, como prevê a Lei de Execução Penal.

“Nós buscamos incessantemente a ressocialização dos detentos. Existem muitos criatórios de peixes em Muriaé. Os conhecimentos adquiridos na penitenciária podem auxiliar esses detentos na conquista de uma vaga no mercado de trabalho quando ganharem a liberdade”, afirma o diretor de segurança da unidade, Antonio Almeida. 

O município é banhado pelo Rio Muriaé, que nasce no estado de Minas Gerais e deságua no Rio Paraíba do Sul, no Estado do Rio de Janeiro. Muitos moradores sustentam suas famílias com a pesca nas águas do Muriaé. A piscicultura surgiu como uma alternativa vantajosa pela maior produtividade e também pelo aspecto ambiental, uma vez que poupa o estoque de peixes do rio. 

Essa não é a primeira experiência de produção de alimentos na Penitenciária de Muriaé. Os detentos cultivam verduras e legumes para consumo interno e para doações esporádicas a instituições da região.

Pioneirismo em Ribeirão das Neves

Minas Gerais foi o primeiro estado a produzir peixes dentro de uma unidade prisional. A iniciativa começou no segundo semestre de 2011, no Presídio Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves

O trabalho beneficia não só os presos, mas também a comunidade, já que os peixes criados no açude do presídio são doados para famílias de detentos, escolas, creches e asilos. 

Na Dutra Ladeira, o treinamento em piscicultura, que já beneficiou 32 detentos, é dado por uma equipe da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O projeto recebe verbas da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) e do Ministério da Pesca. 

Fonte: Agência Minas

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila