quarta-feira, 8 de julho de 2015

Presos de Visconde do Rio Branco trabalham em reciclagem de lixo separando 4 toneladas por dia

De segunda à sexta-feira, às 7h30, um ônibus da Prefeitura de São Geraldo, na Zona da Mata, estaciona em frente ao Presídio de Visconde do Rio Branco, município vizinho. O veículo transporta oito presos por 10 quilômetros até a Usina de Triagem e Compostagem (UTC) de São Geraldo, cidade de pouco mais de 10 mil habitantes. O local contribui para preservar o meio ambiente da cidade, reduzindo o volume de lixo no aterro sanitário. Para os presos, é uma oportunidade de obtenção de renda e de redução da pena a cumprir.

Em jornada de oito horas, os detentos separam por dia, de um volume de quatro toneladas de lixo urbano, plásticos, vidros e papéis para reciclagem industrial, material orgânico para a produção de adubo, sendo o restante depositado em valas do aterro sanitário. A usina é referência na região e brevemente ocupará mais dois presos.

Administrador da limpeza pública de São Geraldo há dez anos, Adílio Ferreira da Silva admite que ficou reticente quando a prefeitura decidiu realocar os dez funcionários da UTC para outras atividades e substituí-los por presos.“Quando soube da notícia achei que daria errado. Mas os detentos estão completando quatro semanas de trabalho e estou surpreso com o desempenho deles. Até o momento não tenho nenhuma queixa. Eles trabalham direito e são organizados”, diz Adílio.

O prefeito Marcílio Moreira Barros comemora o resultado da própria ousadia. “Diante da crise, precisamos buscar boas alternativas e essa é uma delas. Além de darmos a oportunidade de ressocialização para os presos, geramos economia para o município”, argumenta Barros. Segundo ele, os funcionários retirados da UTC agora trabalham na limpeza de escolas, do posto de saúde e das vias urbanas.

A vaga de trabalho dá ao preso uma renda mensal de três quartos do salário mínimo e desconto de um dia na pena a cumprir a cada três trabalhados. O Presídio de Visconde do Rio Branco tem várias frentes de trabalho, que ocupam 70 dos atuais 179 detentos.

O diretor do estabelecimento, Luis Carlos de Almeida, comemora. “Acredito que o trabalho dos presos é uma forma de ressarcimento ao Estado. Além disso, gera uma expectativa do preso em fazer parte de um projeto que dá certo. E não podemos esquecer a ressocialização, que é um fator importante nesse processo”, diz.

O Presídio de Visconde do Rio Branco tem mais duas parcerias de trabalho importantes. Em uma delas, também com a prefeitura, 30 presos trabalham na limpeza urbana. Outros 30 estão empregados em uma mineradora de feldspato, rocha utilizada na fabricação de louças, pisos e azulejos.
Fonte: Agência Minas

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila