segunda-feira, 24 de agosto de 2015

578 prefeituras de Minas aderem a paralisação contra a crise financeira

Ao todo, 578 cidades de Minas Gerais (68%) paralisaram as atividades nesta segunda-feira (24), conforme informou a Associação Mineira dos Municípios (AMM).

A Falta de atualização dos valores destinados ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), redistribuição da arrecadação de impostos, definição dos repasses pendentes dos convênios entre a União, Estado e municípios e revisão do Pacto Federativo, estão entre as pautas municipalistas que deram origem ao movimento.

Segundo o presidente da Associação Microrregional do Vale do Itapecerica (Amvi) e prefeito de Iguatama, Leonardo Muniz, é fundamental sensibilizar o cidadão sobre o atual momento. “Queremos mostrar para a população os motivos do corte de gastos, das demissões e da defasagem dos serviços públicos. A administração municipal passa por um arrocho financeiro e estamos literalmente pedindo socorro ao Estado e à União”, explica.

Paralisação em Santana de Cataguases
“Além do pouco repasse de verbas, é preciso rever o que de fato é dever das prefeituras. Realizamos muitos serviços que são de responsabilidade do Estado e da União, prejudicando assim a qualidade dos serviços públicos que a prefeitura deve oferecer”, reforça o presidente da Associação dos Municípios da Microrregião do Baixo Sapucaí (Ambasp) e prefeito de Campo Belo, Robson Machado.

O levantamento do número de prefeituras que participaram da manifestação foi apurado pela AMM, junto às microrregionais. As prefeituras tiveram liberdade para a manifestação e, portanto, a forma de paralisação variou de cidade para cidade. Na maioria delas, apenas serviços essenciais foram mantidos em funcionamento, como atendimentos de urgência e emergência na área da saúde.

Adesão

Cidades com mais de 100 mil habitantes como Uberaba, Juiz de Fora, Itabira, Barbacena, Itajubá, Divinópolis e Ituiutaba, participaram da manifestação. As pequenas cidades foram as mais efetivas, pois muitas dependem, exclusivamente, do FPM. Para o presidente da AMM e prefeito de Pará de Minas, Antônio Júlio, os repasses do governo federal são as maiores fontes de receitas da maioria dos municípios, quando não são a única. “Esses valores diminuem cada vez mais, forçando os prefeitos a tomarem decisões drásticas para conseguirem atender as demandas da população”.

O movimento superou as expectativas das microrregionais e da AMM.

Reunião em Juiz de Fora

Cerca de 30 prefeitos da Zona da Mata se reuniram na tarde desta segunda-feira (24) no auditório da Prefeitura Municipal para discutir os próximos passos da manifestação. 

A reunião foi conduzida pelo prefeito Bruno Siqueira (PMDB), acompanhado do presidente da Associação dos Municípios da Micro Região do Vale do Paraibuna (Ampar), Agostinho Ribeiro de Paiva e do diretor regional da AMM na Zona da Mata, Itamar Ribeiro Toledo (Mazinho) que também é prefeito de Dona Eusébia.

Ao final, o prefeito "Mazinho" foi taxativo: “A situação que está é insuportável. Fechamos as portas e Se for preciso fecharemos uma, duas, três quatro, cinco vezes e inclusive a BR se for necessário se o governo do estado e o Governo federal não atender às nossas reivindicações frente aos desafios que enfrentamos no dia a dia em nossos municípios”.

Fonte: AMM

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
13 Domingo
14 Segunda
15 Terça
16 Quarta
17 Quinta
18 Sexta
19 Sábado
Econômica III Droga Minas Coimbra Econômica FarmaCenter São Geraldo Droganova
Brasil Pague Menos Aeropharma Drogaria da Vila N.Sra.do Rosário Silveira Farmanossa