sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Simão Pereira quer garantia de isenção de pedágio na BR-040

Moradores do município da Zona da Mata reivindicam solução definitiva para assegurar passe livre a toda a comunidade.


Reunidos em audiência pública da Comissão de Transporte, Comunicação e Obras Públicas da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na tarde desta terça-feira (15/9/15), moradores, políticos e autoridades de Simão Pereira (Zona da Mata) reivindicaram a garantia de passe livre no pedágio da BR-040 entre o Rio de Janeiro e Juiz de Fora.

Os moradores se queixam de que a concessionária Concer estaria cobrando pedágio indevidamente, já que uma liminar judicial concedida em dezembro do ano passado lhes garante a isenção da cobrança. Apesar disso, neste ano os habitantes do município foram surpreendidos com uma carta da empresa comunicando a decisão de cobrar o pedágio, o que foi feito, de fato, no dia 7 de agosto.

O assessor jurídico da Concer, Guilherme Paccola, explicou que a determinação da empresa se baseou na própria decisão da juíza da comarca de Matias Barbosa. Isso porque, ao conceder a liminar em ação impetrada pela Prefeitura de Simão Pereira, a juíza admitiu que não era da sua competência julgar o caso, que foi encaminhado para a Justiça Federal. Contudo, segundo o advogado da Concer, essa cobrança teria durado apenas um único dia. Ele defendeu a busca de um acordo entre empresa, prefeitura e comunidade.

O autor do requerimento para realização da audiência, deputado Isauro Calais (PMN), também defendeu a busca da negociação política, mas advertiu que, na impossibilidade de acordo, a comunidade vai se amparar em outros meios, como a via judicial, para fazer valer o seu direito de ir e vir, garantido pela Constituição Federal. “Já temos uma representação no Ministério Público Federal. Não aceitamos essa cobrança”, afirmou o parlamentar, que também se mostrou indignado com o aumento da tarifa do pedágio, que pulou de R$ 9,00 para R$ 11,20.

Críticas à ANTT - O deputado repudiou a ausência de representantes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) na audiência pública. “Infelizmente eles têm medo de debater e não têm o que falar para justificar os desmandos e o caos que se instalou nas rodovias privatizadas”, disse. Ele questionou ainda “a facilidade” com que a ANTT autoriza a cobrança de pedágio entre Minas e Brasília, sem exigir a duplicação da BR-040 em território mineiro. “Estamos acionando o Ministério Público contra os desmandos da ANTT”, disse.

Disputa e instabilidade já duram duas décadas

A disputa entre a Concer e moradores de Simão Pereira data de duas décadas, quando a concessionária assumiu a administração do trecho da BR-040 entre o Rio de Janeiro e Juiz de Fora. Desde então, moradores e a Prefeitura de Simão Pereira lutam pela isenção no pedágio. Eles chegaram a pagar a taxa entre 1996 e 2005, quando um convênio assinado entre a empresa e a prefeitura suspendeu a cobrança. Para isso, os moradores registravam-se em um cadastro da própria empresa.

A partir de outubro do ano passado, porém, os moradores não conseguiram mais fazer novo cadastro ou atualização, pois a Concer suspendeu o convênio, alegando que se tratava de uma mera liberalização. Em dezembro, a isenção foi restabelecida por decisão judicial. No início de agosto, porém, a empresa voltou a cobrar pedágio dos moradores, interrompendo a cobrança em seguida. Essa instabilidade e a falta de garantia da isenção incomodam os moradores, que querem agora uma decisão definitiva.

"Esse sofrimento perdura há mais de 20 anos. Temos nosso direito de ir e vir reprimido. Estamos presos em nossas casas, ilhados”, reclamou o prefeito Kelsen de Oliveira Valle, acrescentando que a dificuldade é de tal ordem que, para ter acesso ao município sem pagar pedágio, muitos moradores têm que entrar no Estado do Rio de Janeiro. “Isso é uma aberração jurídica”, criticou.

Na época da implantação do pedágio, segundo o prefeito, por determinação da Justiça, a Concer fez uma via alternativa pelo distrito de Cotegipe, que acabou prejudicado devido ao excesso de caminhões com cargas pesadas que passaram a circular por essa via, adotada como rota de fuga para se livrarem do pagamento das taxas. Além de perigosa, por atrair tráfego pesado, a via alternativa é, segundo os moradores, esburacada e mal conservada.

“Não queremos travar batalhas judiciais desgastantes e longas; desejamos, numa mesa redonda, chegar a um consenso. Mas não aceitaremos mais pagar pedágio”, disse o prefeito, afirmando que essa cobrança gera um impacto econômico enorme para a população, que tem de se deslocar de bairros e distritos mais distantes até a sede do município ou a municípios vizinhos, a fim de fazer compras, ir ao banco, ao médico, à escola e ao fórum.

“Cobram pedágio de pessoas idosas que vão ao médico, de estudantes, trabalhadores e até dos prestadores de serviço da prefeitura, como ônibus escolares e caminhões de coleta de lixo”, queixou-se o prefeito.

O presidente da Câmara Municipal, vereador Davi Carvalho, observou que Simão Pereira é um município pequeno (apenas 2.640 habitantes, segundo o IBGE) e seus moradores precisam se deslocar com frequência para os municípios vizinhos de Matias Barbosa e Juiz de Fora. Por isso, disse, o passe livre é fundamental.

Outros vereadores reivindicaram, também, a construção de uma passarela na entrada da cidade e a instalação de um radar para obrigar os carros a reduzirem a velocidade, além de melhorias na sinalização e na via alternativa conhecida como estrada do Buraco Fundo.

Deputados se solidarizam com luta dos moradores

O presidente da Comissão de Transporte, deputado Celinho do Sinttrocel (PCdoB), parabenizou o deputado Isauro Calais pela iniciativa da audiência, solidarizou-se com a população de Simão Pereira e considerou a cobrança de pedágio dos moradores “um abuso por parte da concessionária, que explora a população e impõe reajuste num momento difícil para a economia”. Ele também lamentou a ausência da ANTT na reunião, bem como do Ministério Público Federal (MPF). “É preciso que o MPF se posicione frente aos abusos”, disse.

O vice-presidente da comissão, deputado Dirceu Ribeiro (PHS), defendeu a união de todos para garantir os interesses do município e da Zona da Mata e também considerou um absurdo o que está acontecendo em Simão Pereira.

No final da reunião, o deputado Isauro Calais disse que a Assembleia Legislativa está disponível para mediar um acordo e disse que vai pedir o apoio do Governo do Estado. Ele lembrou que essa instabilidade tem gerado, inclusive, o desvio de divisas em razão da utilização da estrada alternativa como rota de fuga de caminhões que, assim, deixam de pagar as taxas devidas pelas cargas que transportam.
Fonte: ALMG

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila