quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Justiça mantém liminar e responsabilidade da Iluminação pública em Viçosa continua com concessionárias

O Município de Viçosa ajuizou Ação com pedido liminar no mês de Novembro do ano passado, contra a decisão da ANEEL, que impunha ao Município a obrigação de receber o sistema de iluminação pública, registrado como Ativo Imobilizado em Serviço - AIS.

Em face da sentença de primeira instância, quando foi julgada improcedente a ação e revogada os efeitos da liminar, passando a responsabilidade de reparo e manutenção da iluminação pública para o Município, este recorreu e a 5ª turma do Tribunal Regional Federal decidiu manter o efeito da liminar até o julgamento da apelação, com decisão favorável ao pedido de antecipação dos efeitos da tutela recursal impetrado pelo Município, representada pela Procuradora Anna Karolina Guimarães Marim.

Com a decisão, a responsabilidade pelos serviços de manutenção da rede local de iluminação pública continua ser de responsabilidade da CEMIG e Energisa, concessionárias que atendem o Município.

O Secretário de Governo Luciano Piovesan disse que Viçosa conta com 7.142 pontos de iluminação pública e que, desde que foi deferido o pedido da liminar em janeiro último, o Município faz uma economia mensal de 36 mil reais por mês, quantia que seria paga ao  Consórcio Intermunicipal Multissetorial do Vale do Piranga (CIMVALPI), que administra a gestão da manutenção da iluminação pública de vários municípios da região, que arcam com o ônus da determinação da ANEEL. Somados os meses, a economia já é de 360 mil reais: “agora, com a decisão favorável, a economia continua”, asseverou.

Piovesan também ressaltou o trabalho da Procuradoria da Prefeitura, sempre atenta aos interesses do Município e conseguindo sucessivas e importantes vitórias para a população.

A liminar

O Município de Viçosa ajuizou Ação com pedido liminar no mês de Novembro do ano passado, contra a decisão contida no art. 218 da Resolução, nº 414/2010 (c/ a redação dada pela Resolução nº 587/2013) da ANEEL, que impunha ao Município a obrigação de receber o sistema de iluminação pública, registrado como Ativo Imobilizado em Serviço - AIS.

Ato contínuo, no início do ano, a Justiça Federal, Subseção Judiciária de Viçosa, deferiu o pedido de liminar desobrigando o município, por meio da Prefeitura Municipal, de cumprir as determinações da ANEEL. Com isso, a responsabilidade dos serviços de manutenção da iluminação pública continuou com as concessionárias.

Na ocasião, ao julgar procedente o pedido da liminar, a Justiça Federal Subseção Judiciária de Viçosa ressaltou que, apesar de o serviço de iluminação pública ser de interesse predominantemente local e, consequentemente, “sua prestação cabe aos municípios, a quem, inclusive, é facultado instituir a correspondente contribuição de custeio (Constituição Federal, art. 3D, inciso V, e art. 149-A)”, a manutenção do serviço, há muito tempo, vem sendo confiada às distribuidoras de energia elétrica e que a transferência dos ativos somente poderia ser imposta à proporção que cada município estivesse em condições de recebê-los sem risco à continuidade do serviço de iluminação pública: “Não é admissível presumir tal circunstância do simples escoamento de um prazo pré-estabelecido de forma abstrata, unilateral e genérica, mormente quando este se apresenta relativamente exíguo, consideradas a multiplicidade e a complexidade das providências que precisam ser tomadas não apenas pelas distribuidoras de energia elétrica, mas, sobretudo, pelos municípios, em relação aos quais, vale ressaltar, a ANEEL não tem nenhuma ingerência”, destacava a sentença.

            A sentença destacou ainda a ilegitimidade da ANEEL para disciplinar a transferência dos ativos necessários à prestação do serviço de iluminação pública, visto que sua finalidade institucional se limita a apenas "regular e fiscalizar a produção, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica, em conformidade com as políticas e diretrizes do governo federal" (art. 20 da Lei nº 9.427/96), razão pela qual a Justiça Federal entendeu que a simples edição da resolução pela ANEEL neste caso exorbitou o poder regulamentar reservado à Agência Reguladora.

fonte: Assessoria de Comunicação da PMV

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila