quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Secretaria Municipal de Educação discute proposta para aumento da carga horária dos professores e redução de contratados


A Secretaria Municipal de Educação (SME), realizou reunião na tarde desta quarta_feira (28), com os professores da rede municipal de ensino, visando discutir plano de Organização Curricular da Educação Infantil e Ensino Fundamental.

A reunião contou com a presença da Secretária da pasta, Luciana Moreira, representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE), do Sindicato dos Servidores das Prefeituras e Câmaras de Cataguases e Região (Sinserpu), do Economista da Prefeitura de Cataguases, Mauro Fachini, além de vários professores.

Conforme explicou a Coordenadora Pedagógica da SME, Sandra Moutinho Rocha, a proposta foi formulada com base em um tripé que consiste em primeiramente cumprir a exigência do Ministério Público de trabalhar apenas com professores efetivos, depois, em economizar recursos e por último, que ela considera como sendo o mais importante de todos, a questão pedagógica, pois a SME tem uma alta rotatividade de profissionais em sala de aula o que faz com que o aluno perca a referência, dificultando o planejamento interdisciplinar. Com base nestes pontos, após um estudo, a SME montou uma proposta, que modifica o tempo da hora/aula de 50 minutos para 60 minutos e aumenta o valor de R$ 8,65 para R$ 10,38 por hora/aula. Na prática, hoje, um professor tem de cumprir 16 horas/aula de 50 minutos cada hora, mais 8 aulas de hora/atividade por semana e passaria a ter de cumprir 4 horas diárias na escola, totalizando 20 horas semanais, além das 8 aulas/atividade, aumentando o salário de R$ 1.091,00 para R$ 1.640,04. 

A coordenadora também deixou claro, que a Lei do Piso deixa a unidade em aberto, que pode ser de 50 minutos ou 60 minutos e que nenhuma lei está sendo infringida. 

Outro ponto levantado é que os alunos tem de cumprir 25 aulas por semana e se o professor tem apenas 16, torna-se necessário complementar o restante das aulas com outros profissionais, o que demandou um número muito grande de contratos. Com essas mudanças, a SME poderá continuar a corrigir o valor do piso e não precisará utilizar 100% do valor do Fundeb para pagar a folha, podendo investir nas escolas, explicou.

Com a proposta, a SME não precisará renovar os contratos de 140 professores que terminam no final do ano, reduzindo o número de professores de 390 para 250 efetivos. Conforme explicou o economista Mauro Fachini, essa redução representaria uma economia de R$ 1.725.620,00 por ano

A presidente do Sinserpu, Maria Lúcia, disse em entrevista para o site Mídia Mineira, que o sindicato concorda com a diminuição do contingente, pois é favorável ao concurso público, porém, discorda com o aumento de horas/aula (50 minutos) para horas/relógio (60 minutos). Ela explicou que o sindicato é favorável ao aumento para 20 horas/aula de 50 minutos e não 20 horas corridas, pois acredita que a medida prejudicará os servidores do 6º ano ao 9º ano que terão de atuar em mais escolas para atingir a carga horária. Sobre isto, a Coordenadora Sandra Moutinho, explicou que são apenas 9 escolas de 6º a 9º ano em Cataguases, sendo 5 nos distritos e que os professores já tem de atuar em mais de uma escola.

O Site Mídia Mineira, também ouviu o professor Edson Adriano de Almeida, representante do Sind-UTE, que também se posicionou contrário a proposta e considerou como sendo uma proposta "indecente". Segundo ele, o que está tentando ser implantado, já foi tentado em outras administrações e a categoria rejeitou. O professor lembrou que a administração anterior, de Willian Lobo, trabalhava desta forma, tinha dinheiro e pagava em dia. Segundo ele, as medidas não podem se basear em um momento de crise, que é passageira. O professor explicou que o valor do piso nacional já aprovado para janeiro de 2016, é de R$ 1917,00 para a carga horária que já está funcionando. Ele também contestou o valor referente a economia que a medida poderá gerar, dizendo que a planilha é fictícia, pois não foi computado o valor do aumento do salário dos efetivos, mas apenas a redução de pessoal que também pode não ser o que está sendo divulgado, porque a SME poderá precisar contratar no ano que vem.

Sobre o aumento, o professor também disse que no ano que vem, a categoria já tem direito de 13 a 14%, o que poderá não acontecer, reduzindo ainda mais o ganho exibido na apresentação, que não será mais de aproximadamente de R$ 500,00 e sim de pouco mais de R$ 360,00 apenas, deixando o salário defasado com uma carga horária maior pra sempre. "O Sind-UTE, é contra, porque você está tirando um direito que o trabalhador conquistou a duras penas, o Willian não ia sancionar uma Lei da cabeça dele. Nós vamos levar para a Assembléia e mostrar que o que está sendo proposto é um aumento da carga horária para você receber um pouco mais e isso já existe, se eu quiser, eu posso pegar extensão e aumentar a carga horária. O Sind-UTE é contra perder direito, contra a Secretaria fazer redução de gastos em cima do professor antes de fazer uma redução administrativa. Quando o Ministério Público fala que tem de cortar gastos, se você não tem como cortar aqui, você tem de cortar na sua carne primeiro, depois você vai afetar os efetivos, o que eles estão querendo é mudar a estratégia, atingir primeiro os efetivos para depois, ficar os cargos da SME sem mexer, deveriam cortar gastos em todas as secretarias." finalizou.

A categoria pretende realizar uma assembléia geral com a participação dos dois sindicatos na próxima semana.

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila