terça-feira, 6 de outubro de 2015

Servidores do judiciário em Cataguases e região aderem a paralisação e marcam greve parcial para a próxima terça-feira (13)

Os Servidores da Justiça de 1ª Instância do Judiciário que atuam no Fórum de Cataguases (foto) realizaram paralisação nesta segunda-feira (5), aderindo decisão de Assembléia realizada pelo Sindicado dos Servidores da Justiça de Primeira Instância do Estado de Minas Gerais, SERJUSMIG em Belo Horizonte. A paralisação aconteceu em todo estado.

Durante a paralisação, representantes dos sindicatos foram recebidos em uma reunião com o Comitê de Interlocução já previamente agendada em Belo Horizonte, mas não obtiveram acordo.

Segundo o site do SERJUSMIG, os representantes da Administração disseram que o presidente do Tribunal não vai apresentar proposta alguma sobre data-base ou auxílio-saúde enquanto não mudarem os cenários financeiro e orçamentário do Estado devido a grave crise que o Brasil está passando e que tende a piorar. Os sindicalistas argumentaram que a afirmativa seria contraditória, uma vez que, neste cenário de grande “precaução” por parte da presidência do TJMG em relação à data-base dos servidores, o TJMG mantem tramitando na ALMG um projeto que garante automatismo do reajuste de magistrados, mas mesmo assim, não chegaram a um consenso. 

Ainda segundo o sindicato, conforme estudo do DIEESE, enquanto a magistratura acumula ganho de mais de 90%, os Servidores acumulam perda de quase 13%%.

Diante do impasse na negociação, que durou quase 3 horas os Servidores da 1ª Instância se deslocaram para o auditório da Escola de Direito da UFMG, onde foi realizada uma Assembléia Geral Extraordinária (AGE), que decidiu por maioria absoluta a realização de uma greve parcial no que se refere ao horário de trabalho e ao serviço, iniciando  na próxima terça-feira (13).

Com relação ao horário de trabalho, os Servidores deverão cumprir apenas meia jornada de trabalho. Portanto, servidor sujeito a carga horária de 6 horas diárias deverá cumprir 3 horas diárias. Não é permitido atrasar a metade da jornada para assinar o ponto em seguida. Ou seja, o Servidor deve chegar no horário normal de ingresso da jornada, trabalhar a metade da jornada e registrar o ponto de saída. Assim, quanto à greve parcial relacionada à jornada de trabalho, deve ser estabelecido no respectivo setor de trabalho o seguinte: 30% do total de funcionários do setor permanecem trabalhando quando o restante, após haver cumprido a metade da jornada de trabalho, sair para exercer o direito de greve. Então, por exemplo, Servidores grevistas entram às 12h e largam serviço às 15h para exercerem o direito de greve. Os 30% que trabalharão de 15h às 18h estarão de plantão para garantir a continuidade da prestação jurisdicional à população, no que se refere, especialmente, às medidas urgentes. 

Em relação ao serviço, durante a metade da jornada, os Servidores darão andamento normal aos processos físicos. Já em relação aos procedimentos eletrônicos, PJE, Malote, Projud e outros, mesmo dentro desta meia jornada, somente será dado andamento àquilo que se tratar de medidas urgentes. Portanto, a greve atenderá parcialmente os procedimentos eletrônicos ao longo de toda a jornada de trabalho. Por exemplo, o Servidor ingressou às 12h e deixou o serviço às 15hs. Durante este período, em relação aos procedimentos eletrônicos (e não os físicos) dará andamento ao serviço priorizando o que for “necessidade inadiável da sociedade” e medida urgente.

Ficou decidido também, uma outra Assembléia Geral Extraordinária para o sábado (17/10) para avaliação do movimento e deliberação sobre a continuidade ou não, a realizar-se no Espaço Democrático José Aparecido de Oliveira, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais em Belo Horizonte.

Com informações do SERJUSMIG

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila