domingo, 6 de dezembro de 2015

Acompanhe os fatos após Cunha aceitar pedido de impeachment contra Dilma

Após o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciar que aceitou o pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, uma série de ações foram tomadas. A presidenta se manifestou, partidos entraram com ações no STF e a comissão especial para apreciar processo foi criada, por exemplo. O Portal EBC fez uma cronologia dos fatos que sucederam a decisão. Acompanhe:
Foto: J. Batista Câmara dos Deputados

02/12/15 - Cunha aceita pedido de abertura de processo de impeachment de Dilma

Em anúncio feito em entrevista coletiva, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), informa que aceitou pedido de abertura de processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O pedido foi protocolado pelos advogados Hélio Bicudo, Miguel Reale Junior e Janaína Paschoal. Os juristas usaram como argumento a decisão do Tribunal de Contas da União (TCU) que rejeitou as contas do governo de Dilma Rousseff de 2014.

Ao se manifestar sobre o assunto, a presidenta Dilma Rousseff disse, em pronunciamento no Palácio do Planalto, que recebeu a notícia com indignação e relembrou que seu mandato é exercido com base em escolha democrática pelo povo.

03/12/15- Partidos se articulam para escolher nomes de comissão especial e STF rejeita 1ª ação contra impeachment

Um dia após Cunha aceitar a abertura do processo, Dilma foi notificada da decisão e reúne Temer e ministros para discutir resposta a pedido de impeachment. Na mesma data, Cunha cria comissão especial para apreciar processo de impeachment. A criação da comissão, que será composta por 65 deputados, se deu após Cunha ler no plenário sua decisão de aceitar o inicio de processo de impeachment.

O ministro Celso de Mello, do STF, rejeitou o primeiro mandado de segurança impetrado na Corte para anular o ato do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que autorizou a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Além desta ação de Rubens Pereira Júnior, tramita no STF outra do PCdoB para anular a decisão do presidente da Câmara. O relator da ação, ministro Edson Fachin, concedeu prazo de cinco dias para que os envolvidos no processo se manifestem.

Outro ministro do STF, Gilmar Mendes rejeitou desistência e negou pedido de liminar contra impeachment protocolado pelo PT. O pedido foi feito pelos deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ), horas após Mendes ter sido sorteado relator da ação. O ministro classificou a desistência como tentativa de fraude à distribuição processual.

O STF dá, ainda, cinco dias para Dilma e Congresso se manifestarem sobre impeachment.

04/12/15- PMDB tenta compor lista “moderada” para comissão do impeachment

Os deputados Marcos Rotta (AM), que preside a CPI do BNDES, e Sérgio Souza (PR), relator na CPI que investiga irregularidades na administração dos fundos de pensão, estão entre os cotados para a lista que o PMDB apresentará segunda-feira (7) com indicações para compor a comissão especial da Câmara que analisará o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Perfis mais moderados tendem a ser a escolha do líder da legenda na Casa, Leonardo Picciani (RJ). O bloco com a maior representação na comissão especial, liderado pelo PMDB, terá 25 deputados.

Fonte: EBC com informações da Agência Brasil

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila