domingo, 27 de dezembro de 2015

Famílias Circenses podem se tornar patrimônio imaterial brasileiro

Documentação para registro, com histórico dos grupos tradicionais de circo que vieram para o Brasil, foi entregue ao Iphan de Belo Horizonte

Foto: Arquivo/Rede de Apoio ao Circo
Acrobacia, malabares, equilíbrio, trapézio, palhaços, mulher barbada, pirofagia, apresentação de teatro e shows musicais são espetáculos de números circenses que integram a documentação referente à instauração de processo de registro das famílias circenses como patrimônio imaterial brasileiro.

O processo foi solicitado em novembro, junto ao Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), por Sula Mavrudis e Mayara Mattos, membros do Conselho Estadual de Política Cultural (Consec), do segmento Circo, ligado à Secretaria de Estado de Cultura. Elas requerem a apreciação e o registro para que seja realizada salvaguarda da cultura circense no Brasil.

Sula Mavrudis, que além de membro do Consec é da Rede de Apoio ao Circo (RAC), destaca a importância da salvaguarda das mais de 100 famílias de circos tradicionais para preservação cultural das famílias circenses em Minas Gerais.

“Esta é uma cultura que enriquece e contribui para a história cultural do país e merece ser preservada em Minas Gerais. Por isso, o reconhecimento como patrimônio imaterial é fundamental para realização de ações de salvaguarda no estado", diz a especialista.

"O circense se sente circense por passar seu conhecimento de pai para filho; por ter uma vida debaixo da lona, onde tudo acontece nesse micro e macro cosmos ao mesmo tempo", ilustra Sula.

Segundo ela, a salvaguarda vai possibilitar que as famílias circenses sejam reconhecidas nos estados em que circulam para que possam receber atendimento de saúde, educação, assistência social e também tenham um endereço para que possam participar dos serviços oferecidos à comunidade.

Sula ressalta, ainda, que a vida das famílias circenses é essencialmente nômade - de aventuras, riscos, emoções e sonhos - e esta característica fundamental precisa ser desestigmatizada e oficialmente reconhecida.

Integração à sociedade

De acordo com o secretário adjunto e superintendente de Interiorização e Ação Cultural, órgão também ligado à SEC, João Miguel, a integração das famílias circenses à comunidade é uma preocupação do atual Governo. Segundo ele, o reconhecimento como patrimônio imaterial brasileiro traz à cena da cultura do estado a visibilidade necessária para que esse povo seja integrado à sociedade e tenham seus direitos atendidos.

O processo para que as famílias sejam integradas à sociedade e às comunidades iniciou no dia 5 de novembro – Dia Nacional da Cultura – com a assinatura do Protocolo de Intenções por mais de 40 prefeitos, até o momento, para que esta manifestação cultural possa entrar para o repertório da cultura estadual.

“A superintendência de Interiorização e Ação Cultural trabalha, agora, para que o circo e suas famílias possam se instalar em espaços próprios nos municípios, reconhecidos como endereço, visando o atendimento à saúde, educação, assistência social, água, esgoto, luz que garantam o direito dessas famílias para que o circo possa se instalar e circular pelo estado”, diz João Miguel.

O secretário de Estado de Cultura, Angelo Oswaldo, destaca a relevância da iniciativa. “Os grupos familiares circenses se constituem, de fato, em notável núcleo cultural guardião milenar das artes e saberes do mundo do circo. Reconhecer essa importância, visando à proteção e à salvaguarda da família circense, torna-se um dever das políticas públicas de cultura", enfatiza o secretário. 

Dossiê

O dossiê para reconhecimento como patrimônio imaterial entregue ao Iphan é composto de um esboço histórico das famílias tradicionais de circo que vieram para o Brasil e outras que se configuraram nesses últimos séculos pela produção social e artísticas dos circenses em território nacional, um material jornalístico e um pequeno acervo fotográfico que registra a rotina circense em Minas Gerais.

A documentação traz a caracterização dos modos de vida e da expressão identitária das famílias circenses, seus fazeres artísticos, assim como os mestres e mestras responsáveis pela perpetuação dessa tradição tão antiga e rica que se consolida a cada geração.

Origem das famílias circenses          

Existem muitas histórias que confirmam as trajetórias do circo e elas vêm de longe e estão sempre em movimento. O surgimento do circo como local de manifestações artísticas é questionável, mas há menções que remontam as origens da arte circense a pinturas encontradas na China, datadas de mais de 5.000 anos.

Gravuras de malabaristas visualizadas nas pirâmides do Egito, objetos de barro e pedra na Ilha de Creta (1800 a.C.) e painéis em tumbas egípcias (1180 a.C.) também traziam representações dessa arte – acrobacias, saltos, equilíbrio, exibição de força elasticidade, entre outros.    

O primeiro circo foi fruto da ideia empreendedora do militar britânico Philip Astley no século XVIII, que compunha seus espetáculos, organizados e estruturados num picadeiro, à base de apresentações artísticas que incluíam o cavalo.

Já o circo moderno teve início com a delimitação do espaço próprio para este tipo de espetáculo, da estrutura empresarial que passou a ser criada e da incorporação pelas famílias de saltimbancos a valores e rituais próprios da aristocracia militar do século XVIII.

No Brasil, o circo foi itinerante desde sua origem. Ao chegarem as primeiras famílias, ainda não se conhecia a estrutura americana, mais prática e que permitia maior facilidade nas montagens e desmontagens.

Contando com os conhecimentos técnicos e a tradição que traziam de seus países de origem, os circenses que chegaram ao Brasil e rapidamente adaptaram-se às novas condições encontradas no país. No início do processo de imigração dos artistas e suas trupes se reproduziu a forma original de apresentação herdada dos saltimbancos: a praça pública.

Costumes e resistência

Reunindo em torno de seus espetáculos as novidades ou atrações com que se deparavam em suas viagens constantes, o circense incorporou línguas, costumes, saberes e foi construindo suas tradições que são constantemente reinventadas.

Diferentes grupos foram se integrando como os adestradores e ourives ciganos, os equilibristas chineses e japoneses, os contorcionistas indianos, além dos vários artistas provindos de diferentes países da Europa.

Estas circunstâncias deram ao circo a capacidade de sobreviver a qualquer situação, podendo deslocar-se com facilidade de acordo com as necessidades ou as possibilidades que se apresentassem.

Desse modo, a tradição das famílias circenses foi se consolidando, e apesar das grandes dificuldades, os circenses resistem até hoje.

Agência Minas

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila