segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Governo de Cesinha já pagou quase R$ 300 mil pelo cinema fechado

Conforme dados do portal da transparência, o Município de Cataguases, pagou nos primeiros 29 meses de governo do prefeito Cesinha Samor, R$ 291.889,57, a Seno Marques Empreendimentos Ltda, referentes a aluguel do Edgard Cine Teatro, imóvel localizado na Praça Rui Barbosa, tombado pelo patrimônio histórico mas que se encontra fechado, sem utilização desde o início da administração Cesinha, após o Secretário Municipal de Cultura, Zeca Junqueira, solicitar laudo do Corpo de Bombeiros sobre as condições do imóvel.

Os dados para os outros 7 meses de 2015, ainda não estão disponíveis no portal da transparência, mas segundo uma fonte, ligada a família proprietária do imóvel, a prefeitura está atrasada com pelo menos 4 a 5 meses de aluguel.

Desde outubro de 2015, o Executivo vem falando de forma extra-oficial que pretende devolver o cinema e que teria desistido da compra do mesmo, porém, conforme o corretor responsável, a família só aceitaria a devolução, após o pagamento dos aluguéis atrasados e a devida reforma do mesmo, pois conforme contrato, o Município deve devolvê-lo em condições de funcionamento.

A "novela" da compra do cinema

Em 2010, protestos da população, foram gerados após rumores de que o cinema seria vendido e se tornaria em um supermercado ou igreja.

Em setembro de 2011, o Município entrou com a ação de desapropriação e efetuou um leilão de imóveis no dia 13 de dezembro para conseguir o valor para compra, este leilão foi bastante questionado na justiça e uma ação judicial de cancelamento do Sr. Ângelo Zorzi, com entrada em 16 de janeiro de 2012, atrasou a liberação do dinheiro. Esta ação ainda está tramitando judicialmente.

Já em 19 de junho de 2012, a justiça estipulou o valor de R$1.340.000,00 (um milhão, trezentos e quarenta mil reais) após perícia técnica, que foi cancelada em julho do mesmo ano, motivo que levou o ex-prefeito a não realizar o depósito em caução.

Em abril de 2013, o prédio foi interditado pelo Corpo de Bombeiros de Muriaé a pedido da Secretária Municipal de Cultura, situação em que se encontra até o momento.

Em 11 de março de 2014, a justiça autorizou depósitos em juízo para servirem de pagamento após a decisão judicial.  

Após o termino da CEI do Cinema na Câmara, em fevereiro de 2015, o vereador e advogado Serafim Spíndola, disse que o processo de desapropriação do imóvel poderia durar até 10 anos.

Em 2015, saiu a avaliação solicitada pela família que ficou em mais de R$ 4 milhões, o que desestimulou o Executivo a comprar o imóvel.

Em 15 de setembro de 2015, o prefeito Cesinha, admitiu que retirou o dinheiro que estava sendo depositado para a compra, quase R$ 1 milhão, para quitar a folha de pagamento.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila