terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Pastor que confessou assassinato de taxista em Muriaé é condenado a 29 anos de prisão

O homem que se auto-intitulava "apóstolo" evangélico envolvido no assassinado de um taxista da cidade de Miraí, em Muriaé, em meados de abril de 2015, foi condenado a 29 anos de prisão. A sentença foi proferida no último dia 15, após audiência realizada em Muriaé.

O réu, que na data do crime tinha 39 anos, foi preso duas semanas após o crime, no dia 28 de abril, na cidade mineira de Caratinga - cerca de 180 km de Muriaé. Segundo a Polícia Civil (PC), em seu depoimento ele assumiu ter planejado e participado apenas do roubo de José Ari Moreira da Silva, 61 anos, acusando dois adolescentes pela morte da vítima.

Na época, o delegado responsável pelo caso, Eduardo de Freitas, informou em entrevista à Rádio Muriaé, que o único menor que confessou estar presente no momento assassinato afirmou que o taxista foi morto pelo pastor. Um dos jovens está foragido e o outro estaria em liberdade, morando aqui em Muriaé.

As investigações concluíram que o taxista foi contratado no fim da noite do dia 14 de abril (terça-feira) para trazer o pastor e dos dois menores a Muriaé, onde seu corpo foi encontrado enterrado, no bairro Alto do Castelo, quatro dias depois.

Relembre o caso

Segundo o que foi apurado pela polícia, na noite em que foi visto pela ultima vez - dia 14 de abril de 21015 -  José Ari foi contratado por três pessoas para uma corrida até Muriaé, e telefonou para a esposa avisando sobre a viagem. Desde então ninguém teve mais notícias suas.

Na manhã seguinte, quarta-feira (15), após denúncias anônimas via 190, policiais militares de Muriaé encontraram o táxi de José Ari - Fiat Siena prata -  trancado em uma área de despejo de desaterros, próximo a um curral, no bairro Alto do Castelo. Com a chegada da perícia e do delegado Rangel Martino, o carro teve um vidro quebrado e vestígios de sangue foram encontrados no porta malas.

Já na entra de um matagal, havia uma toalha com pertences da vítima, incluindo documentos, além de um cordão a duas pulseiras douradas, que de acordo com familiares, não pertenciam ao taxista. O material também estava sujo de sangue.

Ao longo da semana, a família de José Ari chegou a oferecer uma recompensa para quem repassasse informações concretas que levassem ao seu paradeiro.

Na manhã do dia 18 (sábado), o corpo de José Ari foi encontrado enterrado a cerca de 50 metros de distância de onde seu táxi foi localizado.

De acordo com as informações obtidas no local, junto a Polícia Civil e familiares do taxista, o corpo foi encontrado no mesmo ponto onde no dia anterior uma retroescavadeira foi utilizada, por inciativa conjunta da família com a polícia, para escavar e revirar a terra, como parte das ações feitas ao longo da semana à procura de José Ari.

Com o trabalho da “retro” uma pequena quantidade de terra ficou sobre o cadáver e, já na manhã deste sábado (18), parentes do taxista voltaram ao local e após sentirem um mal cheiro muito forte, conseguiram localizar o corpo.

O religioso foi preso no dia 28 e na tarde seguinte (29), foi apresentado pela Polícia Civil, na sede da 4ª Delegacia Regional, no bairro Safira, em Muriaé.

Depoimento do apóstolo

O delegado do caso confirmou que o acusado confessou, durante depoimento em Caratinga, ter planejado e participado apenas do crime de roubo e que José Ari teria sido morto pelos dois adolescentes de Muriaé, que também estariam envolvidos no caso e que foram ouvidos na última semana e apresentaram versões diferentes da apresentada pelo religioso:

“Ele coloca os dois jovens na cena do assassinato e os aponta como autores do mesmo, porém, o único menor que assumiu estar presente no local onde o taxista foi morto, alega que a vítima foi morta pelo suspeito preso ontem. Diante dessa e de outras contradições, vamos fazer uma acareação para confrontar essas informações”.

Possível morte por engano

Eduardo de Freitas esclareceu que, por tudo que já foi apurado, está descartada a possibilidade de o taxista ter sido capturado e morto por engano, como chegou a ser ventilado nos dias que sucederam a notícia do crime:

“Não encontramos nada que leve a essa conclusão. Tudo que foi levantado indica exatamente o contrário. O trio saiu de Muriaé e foi a Miraí com o crime planejado e a vítima muito bem definida”.

Motivação

Segundo o delegado, os suspeitos afirmam que o plano inicial era apenas roubar o táxi bem como dinheiro da vítima, porém, como José Ari conhecia o apóstolo, por este já ter residido em Miraí, ele teria reconhecido o religioso e por conta disso o suposto mentor do crime decidiu pela morte do motorista para não ser denunciado à polícia:

“Eles alegam que a motivação seria tão somente a subtração patrimonial e que a morte ocorreu em razão do fato de o suspeito ter sido reconhecido pela vítima”.

Fonte e Fotos: Rádio Muriaé


Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila