xxxxx

quarta-feira, 2 de março de 2016

Câmara de Cataguases aprovou apenas projetos de nomes de logradouros - Confira o resumo


A Câmara Municipal de Cataguases, em sessão na noite desta terça-feira (1º) votou apenas em projetos de nomeação de logradouros. Os outros dois projetos previstos na pauta, acabaram não sendo votados. O primeiro, de número 25/2015, do vereador Walmir Linhares, que institui o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Cataguases, recebeu o pedido de vistas da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), para que fosse implementado algumas alterações. O segundo, de número 04/2016, do vereador Serafim Couto Spíndola, que Institui o livro de reclamações do consumidor, recebeu o pedido de prorrogação de prazo, também da CCJR para exarar parecer sobre o mesmo, sendo aceito pelo plenário.

Os demais projetos, números 07, 08 e 09/2016, todos do vereador Vinicius Machado, referentes a nomeação de logradouros, foram aprovados por unanimidade.

Entre os requerimentos, os vereadores Serafim Spíndola e Walmir Linhares, entraram com um, em regime de urgência, solicitando informações sobre o convênio realizado com a fundação Banco do Brasil para colocação de fossas sépticas no distrito da Glória de Cataguases.

No grande expediente, o vereador Serafim Couto Spíndola, usou a tribuna para conclamar seus pares para que a partir da próxima sessão, que será após o 5º dia útil, obstruam a pauta no sentido de não votar em projetos do Executivo até que o mesmo pague os vencimentos dos funcionários públicos do Município.

O empresário Geraldo Ramos Santos Junior, usou a tribuna para falar sobre inconstitucionalidade das autuações proferidas pela Polícia Militar no que tange as multas de trânsito e também sobre as ações da Catrans. O empresário argumentou com base na Lei 9503/97 (Código de Trânsito Brasileiro) especificamente em seu artigo 24 alínea VII, onde lê-se: "Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição, aplicar as penalidades de advertência por escrito e multa, por infrações de circulação, estacionamento e parada previstas neste Código, notificando os infratores e arrecadando as multas que aplicar", bem como o parágrafo 2º do mesmo artigo que diz: "Para exercer as competências estabelecidas neste artigo, os Municípios deverão integrar-se ao Sistema Nacional de Trânsito, conforme previsto no art. 333 deste Código.", o que não acontece com o Município de Cataguases. Segundo o entendimento de Geraldo Santos, como o Município de Cataguases não aderiu ao Sistema Nacional de trânsito, não pode realizar convênios e também não pode ter um órgão responsável pelo trânsito como a Catrans que também depende de um engenheiro de trânsito que não existe nos quadros do município. Geraldo Santos, disse que o motivo de sua fala é para alertar o município para se adequar, pois caso alguém entre na justiça e consiga decisão favorável, poderia causar uma enxurrada de processos e danos ao erário público, por isso, chamou a atenção dos vereadores para que se abra um debate sobre o assunto, incluindo plano de mobilidade urbana e licitação de ônibus, táxis e mototáxis.


Por fim, a advogada Simone Tavares, representante da Associação MTKtá de mototaxistas, usou a palavra para falar sobre a questão da regulamentação da classe no município. Segundo ela, o serviço de mototáxi, hoje é uma realidade e necessidade urbana que não pode ser adiada. Ela também alertou que o serviço é um transporte individual público de passageiro e deve ser regulamentado pelo município, embora exista Lei Federal que regulamenta o serviço. Segundo ela, é necessário e urgente que se faça a regulamentação e que os vereadores votem o projeto a fim de evitar transtornos sociais, debates desnecessários e conflitos com a polícia. A advogada também pediu para os vereadores cientificar dos motivos do projeto não ter ido para a Câmara ainda e por fim, ressaltou que a criação de cooperativa e associação é salutar mas que a autorização é individual e que ninguém deve ser obrigado a participar de uma ou de outra e da mesma forma o projeto não poderá conter esse tipo de vínculo. 


O vereador Walmir Linhares, sugeriu que seja realizada outra audiência pública para discutir o novo projeto antes da votação, para esclarecer as novas dúvidas que possam surgir.



Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila