xxxxx

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Cataguases: Comissão de Assuntos Relevantes sobre instalação de poste na Câmara chega ao fim com dois relatórios

A Comissão de Assuntos Relevantes (CAR), aberta para apurar a instalação de um poste de energia elétrica nas dependências da Câmara Municipal de Cataguases, chegou ao seu fim e a exemplo de outra comissão, a CEI do Cine Edgar que também participaram Majella e Serafim, foi apresentado  dois relatórios distintos na noite desta terça-feira (19).

Leia também:

O motivo alegado por Majella e Mauricio Rufino (membros da comissão), para que um relatório paralelo fosse confeccionado, foi a perda do prazo por parte do relator, Serafim Spíndola. O relator, por sua vez, disse que o atraso na confecção do relatório, se deu pelo fato de vários documentos requisitados, só terem chegados ao seu gabinete no dia 12, seis dias apos a data limite.

Os dois relatórios tiveram interpretações diferentes das oitivas, sendo que o relatório de Majella e Rufino, divergiu completamente do relatório de Serafim. 

Relatório de Majella e Maurício Rufino

No primeiro, os membros da comissão, consideraram que: Não houve estudo técnico que justificasse a instalação do poste; que, a principio, não houve licitação para compra dos equipamentos, sendo que a mesma so aconteceu apos o assunto ganhar repercussão; que o presidente não corrigiu seus atos pois chegou a realizar a licitação, mas sem a retirada dos equipamentos, os vereadores consideraram que todos os atos realizados depois da implantação do poste e de todo seu equipamento, não tiveram nenhum efeito pratico e serviram para simular um negócio jurídico já consolidado, discordando portanto, da alegação do presidente de autotutela conforme a Sumula 473 do STF; que não se pode dizer que a implantação do poste trouxe solução para os problemas do prédio da Câmara, devido a falta de estudo específico que atestasse tal afirmação; e, por ultimo, que não é possível afirmar que o valor pago pelo equipamento esta em consonância com o valor de mercado, uma vez que o processo licitatório acabou cancelado e a mesma empresa foi declarada vencedora. Por fim, os vereadores Geraldo Majella e Maurício Rufino, concluíram que: (I) em razão de o presidente ter autorizado a implantação de um poste de energia elétrica no interior da Casa sem licitação; (II) por ele ter simulado a correção dos atos administrativas praticados; (III) por não se saber  da real utilidade pública do investimento de R$45.100,00 (quarenta e cinco mil e cem reais) para ampliação da carga elétrica do prédio; (IV) a implantação está posta em lado oposto ao padrão elétrico do prédio, fato que onera financeiramente a continuidade dos serviços, a Comissão decide pelo encaminhamento deste Relatório as seguintes autoridades públicas, com finalidade de dar sequencia a apuração dos fatos: Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Relatório de Serafim

Já o vereador Serafim, em seu relatório, argumentou que: No dia 3 de março de 2015, o presidente, Antônio Beleza, encaminhou oficio ao funcionário responsável pelo setor de compras, solicitando que fosse feita avaliação da rede elétrica, por técnico e que após os laudos, fosse feito os procedimentos necessários para reforma da rede elétrica. No dia 17 de março de 2015, o técnico responsável, apresentou o laudo e sugeriu a implantação de um novo projeto elétrico com suas devidas modificações. No dia 31 de maio, foi encaminhada a diretoria da Câmara nota de empenho no valor de R$ 44.100,00 referente a instalação de um transformador de 112,5 KVA, de dois postes e de sistema de proteção, além dos materiais e projeto. A referida ordem de serviço foi cancelada pelo Procurador da Câmara. Posterior ao fato, a Câmara iniciou o processo licitatório, sem prejuízo de dinheiro público. Por fim, o relator concluiu que o presidente da Casa agiu de forma correta e íntegra, pelos seguintes motivos: 1º - Determinou ao servidor por escrito para realização de todos os procedimentos necessários; 2º - Cancelou a ordem de serviço quando foi verificado vícios, não havendo prejuízo econômico para o Legislativo; 3º - Houve a real necessidade de instalação do poste; 4º - O preço de todo equipamento está dentro do valor de mercado e por fim, (5º), o presidente, na visão do relator, geriu a situação de forma impecável e irrepreensível.

No final da leitura do relatório, o presidente Antônio Beleza, determinou que os dois relatórios fossem encaminhado aos órgãos competentes e distribuídos a todos que solicitarem, cumprindo todo o trâmite legal.



Um comentário :

  1. "No final da leitura do relatório, o presidente Antônio Beleza, determinou que os dois relatórios fossem encaminhado aos órgãos competentes e distribuídos a todos que solicitarem, cumprindo todo o trâmite legal."
    A determinação de encaminhar os dois relatórios n;ao é da competência do Presidente da Câmara, sabedor que o Relator de ofício não cumpriu os prazos e não informou a momento algum a falta de documentos para concluir seu relatório. Deve haver um adendo ou atualização da notícia em tela.

    ResponderExcluir

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila