quinta-feira, 28 de abril de 2016

Justiça deverá liberar todo recurso destinado para PF no ano para evitar interferências do governo Temer

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
O ministério da Justiça decidiu liberar, nesta terça-feira, todo o recurso que estava previsto para a Polícia Federal no ano. A medida foi tomada pelo ministro Eugênio Aragão para evitar que o possível novo governo de Michel Temer atrapalhe as operações da polícia, como a Lava Jato, por exemplo. Ao todo, o governo deve liberar cerca de 160 milhões de reais aos cofres da PF. O presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Carlos Eduardo Sobral, conta que o dinheiro destinado para a PF é liberado aos poucos, de acordo com a vontade do governo. Ele lembra que uma forma de atrapalhar as ações da Polícia Federal é justamente o governo segurar o repasse de recursos para a corporação.

“A entrega do recurso, a entrega do dinheiro para a Polícia Federal, ela acontece mês a mês. E, é comum o governo Federal congelar o repasse. Sem dinheiro, ela não pode pagar a movimentação dos policiais que vão trabalhar nas operações e o governo, o ministério da Justiça vão repassar de imediato, nos próximos dias, todo o recurso, todo o dinheiro que a Polícia Federal poderia receber até o final do ano”. disse o presidente da ADPF, Carlos Eduardo Sobral.

Durante esta semana, em meio às negociações de Temer com partidos para a composição de um novo governo, o nome do advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira foi citado para assumir o ministério da Justiça. A possibilidade de Mariz assumir a pasta causou críticas, porque o advogado assinou, no começo deste ano, um manifesto contra a operação Lava Jato da Polícia Federal. O presidente da ADPF, Carlos Eduardo Sobral, explica que o nome de Mariz também gerou desconfianças entre os delegados da PF.  “Ele teria dado uma entrevista falando que a polícia não pode ter como prioridade o combate à corrupção e todos nós sabemos que a prioridade número um da Polícia Federal é o combate à corrupção. Então, ele começou muito mal. E também teria criticado um instrumento de investigação que é utilizado em todo mundo desenvolvido que é a delação premiada. Tanto a Lava Jato, ela é imprescindível para o país, como o instrumento da delação premiada é imprescindível para o país. E, as suas manifestações não foram bem recebidas”. argumentou Sobral.

Os delegados de Polícia Federal estão em campanha para que a autonomia administrativa e financeira da instituição seja aprovada no Congresso Nacional. O objetivo dos delegados é garantir que a polícia fique livre de interferências políticas com a desvinculação da corporação do ministério da Justiça.

Saiba mais na internet, no endereço pecdapf.adpf.org.br.

Reportagem, Cristiano Carlos

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila