segunda-feira, 25 de abril de 2016

Senado instala comissão especial do impeachment de Dilma na tarde de segunda

Expectativa dos senadores é votar o relatório da comissão entre 5 e 7 de maio

Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

Senado instala, na tarde desta segunda-feira, a comissão especial que vai analisar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O colegiado terá 21 senadores titulares e igual número de suplentes com a missão de elaborar e aprovar um parecer pela admissibilidade ou não do pedido de impeachment, já aprovado pela Câmara dos Deputados.

Logo após a instalação, será eleito o presidente e designado o relator da comissão especial. O PMDB terá cinco integrantes, enquanto os blocos liderados pelo PSDB e pelo PT terão quatro membros, cada um. A expectativa dos senadores é que a votação, na comissão, ocorra entre 5 e 7 de maio, mas o presidente em exercício do PMDB, senador Romero Jucá, acredita na conclusão dos trabalhos antes do prazo.

"O limite do regimento são 10 dias úteis, mas, necessariamente, a comissão não precisa gastar os 10 dias. Como é para analisar um processo de admissibilidade, não há nenhum tipo de defesa nova, é possível e até natural que o prazo a ser gasto neste procedimento seja menor."

Já o líder do PT, senador Humberto Costa, vai exigir que o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, seja ouvido pela comissão. Costa cita dois argumentos que deixam o governo otimista quanto à possibilidade de barrar o impeachment de Dilma no Senado.

“O primeiro é que aqui é uma Casa com menos parlamentares. E segundo, nós temos pessoas que têm experiência administrativa e são capazes de compreender, perfeitamente, o que é pedalada fiscal e o que é decreto orçamentário e vão poder avaliar, com toda certeza, que não houve crime por parte da presidente.”

O presidente do Senado, Renan Calheiros, garantiu que não vai interferir no andamento dos trabalhos da comissão especial do impeachment e reafirmou que deixará o comando do processo se o Plenário do Senado aprovar, no dia 10 ou 11 de maio, a admissibilidade do pedido de impeachment e o consequente afastamento da presidente Dilma Rousseff por até 180 dias.

"A fase de coordenação do presidente do Senado praticamente vai se esgotar a partir do momento da admissibilidade da autorização. A partir desse momento, nós vamos chamar o presidente do Supremo Tribunal Federal e transferir, neste caso específico, a presidência do Senado Federal.”

Calheiros argumenta que o comando do processo nas mãos do presidente do STF, Ricardo Lewandowski, evitará a proliferação de questões de ordem e dúvidas quanto aos procedimentos.

José Carlos Oliveira
Rádio Câmara

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
27 Domingo
28 Segunda
29 Terça
30 Quarta
01 Quinta
02 Sexta
03 Sábado
Droga Minas Coimbra Econômica
Pague Menos Aeropharma Drogaria da vila