quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Defensoria Pública, Prefeitura e Copasa vão à Vila Reis após denuncia do Site Mídia Mineira





Após matéria veiculada no Site Mídia Mineira sobre a situação desumana em que os moradores das Ruas Nossa Senhora da Conceição e Av. Maria Fernandes de Barros na Vila Reis tem passado, tendo que conviver com esgoto a céu aberto mesmo pagando taxa de esgoto para a Copasa, a coordenadora da defensoria pública de Cataguases, Dra Eliana Maria de Oliveira Spíndola e equipe, esteve visitando o local acompanhada do presidente da associação de moradores, André Silva (Dedé), do vice-prefeito Tita Lima, dos secretários: José Ângelo (Serviços Urbanos) e José Emilton Silva (Meio Ambiente) e o engenheiro  da Copasa responsável pelo sistema de Cataguases, Lúcio Moreira.

O objetivo da defensoria pública, conforme explicou a Dra. Eliana Spíndola, foi ir até o local e promover uma conciliação amigável entre as partes, buscando a solução imediata sem a judicialização do caso.

Os representantes da Copasa e Prefeitura de Cataguases percorreram todo o percurso e após, se posicionaram favoráveis a solução imediata da questão, no entanto, vários outros problemas foram encontrados, como invasões por parte de alguns moradores no terreno que é Área de Preservação Permanente (APP), o que dificulta a limpeza do local para escoamento das águas da chuva.

Segundo o engenheiro Lúcio Moreira, a Copasa irá realizar imediatamente algumas ações, como a construção de 30 metros de rede para a retirada do esgoto da rede pluvial. Conforme disse, as obras iniciarão já nesta sexta-feira (27) e deverão serem concluídas em uma semana, até o dia 3 de fevereiro. Quanto aos moradores da Rua Nossa Senhora da Conceição, ele afirmou que será realizada uma vistoria em cada casa para a verificação das ligações na rede e a colocação de válvula de retenção nas residências que se encontram abaixo do nível para evitar a invasão do esgoto.

O Secretário de serviços urbanos José Ângelo, disse que a princípio a pasta já irá deslocar homens para a limpeza manual do local onde não existe condições de entrada de máquinas. Posteriormente, será realizada uma licitação para contratação de máquina própria para o trabalho e será realizado o serviço de rebaixamento do córrego para facilitar o escoamento da água. Em relação aos prazos, a limpeza manual deverá ser iniciada tão logo a secretaria disponha dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), o que deverá acontecer no máximo até a próxima semana. Quanto a licitação de maquinário, ele não soube precisar o tempo pois dependerá de uma licitação.

José Emilton, secretário de Meio Ambiente, disse que por se tratar de uma situação é emergencial, irá dar entrada na Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram), em Ubá, com um pedido de intervenção por se tratar de uma área de EPP, mas como a situação se tornou uma questão de saúde pública, sendo encontrada larvas de mosquito, inclusive, ele acredita que o órgão não deverá se opor à intervenção e que o prazo para liberação deverá ser rápido, no máximo até segunda-feira (30). Em relação as invasões na área, o secretário disse que algumas intervenções já foram notificadas pela Polícia Ambiental e já se encontra-se em poder do judiciário para a solução.

Por fim, a coordenadora da defensoria pública, Dra. Eliane Spíndola, se mostrou satisfeita, a princípio, com a disposição e reconhecimento das partes, mas marcou uma reunião na Defensoria Pública para esta sexta-feira (27) onde as partes deverão assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), na presença do Ministério Público e do Poder Legislativo, com prazos estipulados pelo Município e Copasa para solução definitiva do problema. "Na verdade, eu vou poder dar uma posição concreta na sexta-feira depois que for assinado esse TAC, porque o TAC, devidamente referendado ele é executável. Eu vou convidar o Ministério Público para estar junto com a gente porque é o interesse público que está em jogo e a gente não pode mais permitir esta situação. Eu fiquei realmente entristecida, pois não tinha conhecimento, não tinha visto, não tinha sentido o que a população daqui da Vila Reis está passando. É realmente uma situação desumana que não pode perdurar." disse a defensora.

3 comentários :

  1. Eu acho q o prefeito e os vereadores deveriam dá um pulinho no bairro São Vicente pq lá precisa de muita coisa. Não moro lá mas tenho parentes lá e é um bairro que precisa arrumar muita coisa. Tem um buraco na subida do moro o motorista do ônibus tem que tentar desviar pra subir.
    Eu acho que o São Vicente é um bairro muito esquecido mas quando chega eleição é lembrado

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz em saber que no Bairro existe um presidente da associação que zela e trabalha para comunidade que corre atrás e procura sempre solucionar os problemas através de diálogos e quando não consegue vai atrás dos direitos do povo acionando a justiça, parabéns Dedé eu estou a trinta anos em São Paulo mais nasci no Bairro vila Reis e tenho orgulho disto e torço para que outros representantes sigam seu exemplo Dedé.

    ResponderExcluir
  3. Fico feliz em saber que no Bairro existe um presidente da associação que zela e trabalha para comunidade que corre atrás e procura sempre solucionar os problemas através de diálogos e quando não consegue vai atrás dos direitos do povo acionando a justiça, parabéns Dedé eu estou a trinta anos em São Paulo mais nasci no Bairro vila Reis e tenho orgulho disto e torço para que outros representantes sigam seu exemplo Dedé.

    ResponderExcluir

Farmácias de Plantão em Cataguases
23 Domingo
24 Segunda
25 Terça
26 Quarta
27 Quinta
28 Sexta
29 Sábado
Econômica III Droga Minas Coimbra Econômica FarmaCenter São Geraldo Droganova
Silveira Pague Menos Aeropharma Drogaria da Vila N. Sra. Rosário Silveira Farmanossa