terça-feira, 7 de março de 2017

Relatório da Secretaria de Estado de Segurança Pública mapeia violência doméstica e familiar em Minas Gerais

Estudo detalha registros de violência física, psicológica, patrimonial e sexual de todas as 853 cidades do Estado e traz detalhes como perfil das vítimas e agressores


Como parte das ações de enfrentamento à violência contra a mulher, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) divulgou nesta segunda-feira (06/03), um diagnóstico com o detalhamento deste tipo de crime em todo o Estado. A transparência na divulgação dos dados, às vésperas do Dia Internacional da Mulher, busca dar publicidade ao problema – buscando engajamento e mudanças de comportamento – além de detalhar os índices que são utilizados por várias políticas, de diferentes áreas do Governo, no enfrentamento da violência contra a mulher.

O “Diagnóstico da Violência Doméstica e Familiar em Minas Gerais 2015-2016” está disponível no site da Sesp e traz um panorama de violências físicas, psicológicas, patrimoniais, morais e sexuais sofridas pelas mineiras, com tipificações baseadas na Lei 11.340/2006, mais conhecida como Lei Maria da Penha.

O estudo traz dados de todas as 853 cidades do Estado, e também uma divisão por regiões de segurança. Além das taxas por 100 mil habitantes dos crimes contra a mulher, há uma análise da situação de cada localidade, definida como alto índice, médio ou baixo índice. 

Essa avaliação foi realizada a partir da média encontrada dos crimes em todo o Estado. A produção do documento é do Centro Integrado de Informações de Defesa Social (Cinds), via Polícia Civil.

Resultados

A violência doméstica e familiar contra a mulher caiu, entre 2015 e 2016, em todo o Estado e também na capital. Em Minas, foram 2.681 ocorrências a menos deste tipo de crime no último ano, o que representa uma queda de 2,08%. Já na capital, o decréscimo foi de 1,74%, com 15.224 casos registrados no ano de 2015 e 14.960 em 2016.

Avaliando a taxa de violência doméstica entre as regiões, que leva em conta a densidade populacional, a região de Uberaba é, pelo segundo ano consecutivo, a que apresenta maior taxa de registros (796 a cada 100 mil habitantes). A região de Patos de Minas fica com o segundo lugar (726 a cada 100 mil habitantes).

Na outra ponta, com os menores índices, está a região de Uberlândia, com média de 445 registros de Maria da Penha a cada 100 mil habitantes. Vale ressaltar, inclusive, que nenhuma das 18 cidades que compõem a Região Integrada de Segurança Pública (RISP) de Uberaba ficou com taxa acima da média do Estado. A RISP de Contagem fica com a segunda posição com 504 registros de violência doméstica e familiar a cada 100 mil habitantes.

Em todas as regiões do Estado, segundo o diagnóstico, a violência física é o tipo de agressão mais sofrida pelas mulheres, o que inclui crimes como lesão corporal, vias de fato, homicídio e tortura. Em segundo lugar, está o crime de violência psicológica, que inclui abandono material, ameaça, atrito verbal, constrangimento ilegal, maus tratos, perturbação do trabalho ou do sossego alheio, sequestro e cárcere privado e violação de domicílio.

Violência Sexual

Em Belo Horizonte, houve queda de 18,85% das ocorrências de violência sexual no comparativo dos anos de 2015 e 2016. Foram 211 registros no ano passado, contra 260 no ano anterior. Entre os crimes que compõem a violência sexual estão: estupro, estupro de vulnerável, assédio e importunação ofensiva ao pudor. A violência psicológica caiu 3,37% na capital e a violência física, 3,41%.

Perfil do agressor

O estudo traz uma análise dos perfis das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar no Estado e constata que em aproximadamente 38% dos casos, os agressores são cônjuges e companheiros e, em 31%, ex-cônjuges e ex-companheiros. A maior parte das vítimas tem a cor da pele parda (46%), seguida da cor branca, em 33% dos casos.


Quando a escolaridade das vítimas é avaliada, pode-se afirmar que 23% delas possuem ensino fundamental incompleto, seguido de 19% que são alfabetizadas e 18%, que possuem ensino médio completo. A faixa etária prevalecente entre as mulheres vítimas, com 30%, é de 25 a 34 anos de idade, sendo que 73% delas tinham entre 18 e 44 anos de idade.

Para a elaboração deste trabalho foi levado em consideração as 18 RISPs (Região Integrada de Segurança Pública), já consideradas nos relatórios anteriores. Como ocorreu uma mudança a partir de 2017, os próximos relatórios levarão em conta a nova definição de regiões integradas, passando de 18 para 19 RISPs no território de Minas Gerais.

Os municípios de Cataguases e Leopoldina estão inseridos na 4ª RISP, com sede em Juiz de Fora.

Quantitativo de registros de violência doméstica e familiar contra mulher, por RISP, ano e semestre.


Quantitativo de registros de violência doméstica e familiar contra mulher, por RISP, ano e semestre.

Mapa do quantitativo de registros de violência doméstica e familiar contra mulher nas RISPs do Estado no ano de 2016. 
Taxas (por 100.000 habitantes) de registros de violência doméstica e familiar contra mulher, por RISP, semestre e ano. 


Fonte: Sesp

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
23 Domingo
24 Segunda
25 Terça
26 Quarta
27 Quinta
28 Sexta
29 Sábado
Econômica III Droga Minas Coimbra Econômica FarmaCenter São Geraldo Droganova
Silveira Pague Menos Aeropharma Drogaria da Vila N. Sra. Rosário Silveira Farmanossa