quinta-feira, 27 de abril de 2017

Agência dos Correios em Cataguases adere a greve por tempo indeterminado

Trabalhadores dos Correios de Cataguases aderiram a paralisação por tempo indeterminado que ocorre em todo Brasil. Esta é a primeira vez que a agência de Cataguases adere ao movimento com 100% de adesão no setor de Triagem e Transbordo e aproximadamente 20% no atendimento.

Os funcionários da empresa reivindicam melhores condições de trabalho, concurso público e são contrários a privatização, demissões em massa, fechamento de agências e o chamado "desmonte fiscal" da empresa, além de culpar o atual presidente, Guilherme Campos. Segundo alguns funcionários, a empresa alega ser deficitária mas investe alto em patrocínios na área esportiva, publicidade e identidade visual, como a troca de logomarca, por exemplo. "Nós queremos ter condições de entregar as correspondências em dia, queremos concurso público que não acontece desde 2011 e também somos contra a reforma da previdência, contra a reforma trabalhista e queremos serviço de qualidade e pra isso acontecer e servir a população nós precisamos de contratação imediata e também estamos fazendo a campanha Fora Guilherme Campos que é o presidente da empresa e está sucateando a empresa para privatizar, jogando a população contra a gente", disse um dos funcionários presentes.

Conforme "Carta Aberta a População de Cataguases" distribuída pelo Sindicato dos Trabalhadores nos Correios e Telégrafos de Juiz de Fora (SINTECT/JFA), responsável pelo movimento na região, "Os carteiros, OTTs, atendentes, motoristas, motociclistas, enfim todos trabalhadores(as) estão sofrendo hoje o maior massacre profissional jamais vivido nesta empresa. Sobrecarga de trabalho, em decorrência da falta de pessoal, com ausência de concursos, pressão extrema da chefia despreparada para exercer a função e uma estrutura superada", diz o texto.

Em matéria veiculada pela Folha de São Paulo, o presidente da estatal, Guilherme Campos, disse, nesta quarta-feira (26), que a decisão de entrar em greve acaba dando argumentos para os defensores da privatização, segundo ele, se a empresa não se tornar viável, será difícil encontrar outra solução. 

O que o consumidor deve fazer?

Conforme o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), para os consumidores que contrataram os serviços dos Correios e esses não forem prestados na forma contratada, cabe questionamento para eventual ressarcimento ou abatimento do valor pago. Não havendo solução, o contratante deve procurar um órgão de defesa do consumidor, como o Procon. Caso a questão envolva dano moral, é possível levar até ao Poder Judiciário.

Com a greve, as contas podem vencer sem que o consumidor as tenha recebido, ocasionando multas pelo atraso no pagamento. Para não ser surpreendido pelos juros e multas decorrentes disso, o ideal é que o consumidor faça um planejamento do pagamento as contas, observando a época em que elas costumam chegar. Se perceber que o prazo do vencimento está perto e o boleto não chegou, o consumidor deve se antecipar, entrando em contato com o SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) da empresa emissora da conta e solicitar uma outra forma de realizar o pagamento: segunda via do boleto, sem os juros, entregue por e-mail ou fax, depósito bancário ou código de barra para pagamento em caixa eletrônico. Vale lembrar que a emissão de uma nova fatura não pode ser cobrada. 

Se a conta emitida pela empresa chegar junto com a segunda via solicitada, lembre-se de que somente a segunda via deve ser paga, a outra pode ser ignorada. Se o consumidor pagar a conta que já foi cancelada, o pagamento pode não ser repassado para a empresa.

Agora, se o boleto chegou após o vencimento e o consumidor pagou, arcando com os juros, ainda há uma alternativa para recuperar o dinheiro. O consumidor prejudicado deve procurar o Procon de sua cidade e relatar o problema, para que o órgão entre em contato com os Correios e exija a devolução do valor, em casos de atraso na entrega.

Quem quer se precaver contra possíveis greves e demais atrasos na entrega pode optar por formas de pagamento que não envolvam os correios. Algumas alternativas são o débito automático em conta corrente ou o recebimento da fatura por e-mail. Essas opções proporcionam maior controle ao consumidor, já que não dependem da intermediação dos Correios para a entrega.

O Idec recomenda que o consumidor tente efetuar o pagamento por outros meios (caixa eletrônico, internet ou telefone, por exemplo) ou que procure o fornecedor de serviços para viabilizar outra forma de pagamento ou ainda negociar a postergação da data de vencimento da dívida. É importante lembrar que a greve não é uma situação gerada pelo consumidor e nem pelo fornecedor, de modo que não podem ser impostas penalidades em caso de atraso de pagamento. Entretanto, tendo em vista o respeito ao princípio da boa-fé e em um caso excepcional como esse, é recomendável procurar meios para o cumprimento das obrigações.


Caso não seja possível outra forma de pagamento, inclusive após contato com o fornecedor, a dívida não poderá ser cobrada com juros e multa.

Fonte: 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
21 Domingo
22 Segunda
23 Terça
24 Quarta
25 Quinta
26 Sexta
27 Sábado
Atlas Sta Rita Dose certa Inova Econômica III Droga Minas Coimbra
Vasconcelos Saúde e Vida Drogasil Droga Farma Farmanossa Pague Menos Aeropharma