quarta-feira, 5 de julho de 2017

Sem acordo processo de descredenciamento do Hospital de Cataguases para tratamento de câncer pode iniciar nesta quinta-feira


Reunião no gabinete do prefeito contou com vereadores, Conselho Municipal de Saúde, Ministério Público, Hospital de Cataguases e Instituto Oncológico de Juiz de Fora





Uma reunião convocada pelo prefeito Willian Lobo de Almeida em seu gabinete, na manhã desta quarta-feira (5), que contou com representantes do Hospital, Câmara Municipal, Conselho de Saúde, Instituto Oncológico e Ministério Público, com objetivo de resolver o impasse e alinhavar um acordo entre Hospital de Cataguases e Instituto Oncológico do Hospital 9 de Julho de Juiz de Fora com Ministério Público para que o tratamento de câncer permaneça no município, terminou sem esperança.

O Promotor de Justiça, Dr. Rodrigo Barros, começou explicando que existe um Inquérito Civil Público iniciado em 2008, com a finalidade de avaliar os serviços de oncologia prestados pelo Instituto Oncológico e Hospital de Cataguases, sendo que um dos primeiros relatórios datam de 2006, de auditoria do Ministério da Saúde, onde inúmeras irregularidades foram apontadas. Em 2012, várias recomendações foram realizadas e nova solicitação de auditoria foi solicitada ao DENASUS o que aconteceu em 2016, constatando que as irregularidades permaneciam basicamente as mesmas e outras deficiências surgiram. Em paralelo, a Secretaria de Estado de Saúde, também realizou uma auditoria que ratificou as deficiências apontadas. 

Segundo o promotor, várias adequações precisam ser feitas, tanto em relação ao Hospital que é o detentor do credenciamento quanto ao  Instituto Oncológico (prestador do serviço), bem como no Município que precisará implantar um serviço de auditoria devidamente estabelecido e passar a realizar a regulação e controle efetivo dos pacientes. Conforme explicou, o Hospital não conseguiu realizar 10% do que é preconizado em cirurgias oncológicas e nem 40% do que é preconizado minimamente em quimioterapia e isso é condição para levar ao descredenciamento. Para tentar resolver a questão, uma reunião aconteceu no dia 31 de maio entre Hospital de Cataguases, Instituto Oncológico e Prefeitura de Cataguases para que houvesse a correção dos problemas, com prazo até 12 de junho para manifestação mas apenas o Hospital respondeu que não teria condições de assumir o serviço, tendo em vista o alto custo financeiro. Um novo encontro aconteceu no dia 27 de junho, mas novamente não houve acordo entre Instituto e Hospital, ficando determinado a criação de um fluxograma de atendimento aos pacientes de Cataguases em Muriaé e Juiz de Fora. 

Conforme alertado, nesta quinta-feira, 6 de julho, acontecerá uma reunião da Comissão Intergestora Regional Ampliada (CIRA) em Juiz de Fora e na pauta estará a votação para o descredenciamento da oncologia do Hospital de Cataguases, a menos que as partes assinassem um acordo para adequação das exigências com prazo de 60 dias até 6 meses conforme a urgência da adequação.

Embora os representantes do Instituto Oncológico, Dr. Thales Souza Ramos (Diretor Clínico) e Dr. Homero Gonçalves (advogado) dissessem em um primeiro momento, que estariam dispostos a assinar o acordo, realizando as adequações inerentes aos serviços de oncologia, exceto as ambulatoriais que ficariam a cargo do Hospital, quando o Hospital decidiu assinar, os representantes  do Instituto, voltaram atrás e disseram que não assinariam mais, voltando à estaca zero. Com isso, tudo indica que o processo de descredenciamento do Hospital de Cataguases se iniciará nesta quinta-feira (6).

De acordo com o secretário municipal de saúde, Eliermes Teixeira, a reunião foi a última tentativa de manter o credenciamento mas pelo fato do Instituto Oncológico não assumir as responsabilidades o Hospital acabou solicitando o descredenciamento. "Hoje foi tentado de todas as formas, pelo Município, Ministério público e Conselho de Saúde para que o Oncológico comprometesse com essa assinatura. O Hospital declarou que assinaria, o Município também mas o Instituto Oncológico não. Então, a partir desse momento, segue o processo de descredenciamento", disse. 

O secretário também ressaltou que o Município, embora sem precipitação mas preocupado com o que pode acontecer, já teve uma primeira conversa na Fundação Cristiano Varela em Muriaé, para buscar alternativas caso o descredenciamento se confirme. Segundo ele, após o descredenciamento, o município irá buscar reaver o prédio para tentar formatar uma pactuação, mas isso dependerá também do Estado. A possibilidade é viável devido o Plano Diretor de Regionalização (PDR) que tem o objetivo de descentralizar e melhorar a acessibilidade dos pacientes e no caso da quimioterapia isso é perfeitamente possível por se tratar de um procedimento de infusão ao contrário da radioterapia que não tem chance de vir para Cataguases devido o alto custo. "Hoje nós já temos vários pacientes que vão para Muriaé e o que foi conversado com ele é que se investisse aqui, a gente tem o Hospital que seria a retaguarda no caso de urgência e emergência e também a Fundação onde pudesse manter esse serviço aqui que chamo de unidade de apoio dentro do Município de Cataguases até para atender a região inclusive os pacientes daqui que também vão pra lá. Então, é interesse da Fundação, desde que haja um alinhamento com o Estado também pois não depende só da vontade da Fundação e nem do Município, portanto, já agendamos uma reunião para o dia 17 de julho com o Estado onde estaremos com a Coordenação Estadual pra gente tentar articular essa possibilidade", completou.


Caso aprovado o processo de descredenciamento nesta quinta-feira, o serviço deverá parar em aproximadamente 30 dias e o Município terá de colocar um plano de atendimento em ação.

O prefeito Willian Lobo disse para nossa reportagem que a responsabilidade de direcionamento da rede é do Estado e que fica triste pois tem lutado todo tempo em prol da população e dos servidores, além de conhecer várias pessoas que necessitam do serviço mas infelizmente não foi possível chegar em um acordo entre o Hospital e o Instituto oncológico. "Nós vimos aqui uma omissão por parte do instituto Oncológico de Juiz de Fora. Foi bom colocar todas as partes com a presença da imprensa, sem portas fechadas, para que a população entenda que tudo que o Município pôde fazer para poder continuar foi feito mas precisa que todas as partes estejam inteiradas em cumprir a portaria pois isso gera judicialização, processo e alguém acaba tendo de pagar por danos aos pacientes e eu estarei sempre em defesa da população por um serviço de qualidade. Não adianta ficar maquiando e não dar um serviço digno no momento de sofrimento em que a pessoa mais necessita", comentou.




Nenhum comentário :

Postar um comentário

Farmácias de Plantão em Cataguases
09 Domingo
10 Segunda
11 Terça
12 Quarta
13 Quinta
14 Sexta
15 Sábado
Sta Rita Dose Certa Inova Econômica III Droga Minas Coimbra Econômica
Saúde e Vida Drogasil Droga Farma N. Sra. Aparecida Pague Menos Aeropharma Drogaria da Vila