terça-feira, 20 de março de 2018

Cataguases ganha Centro Cultural Sicoob Coopemata








Foi inaugurado na noite desta segunda-feira (19), o Centro Cultural Sicoob Coopemata (CCSC). O evento faz parte das comemorações de 20 anos da Coopemata em Cataguases. 

O novo centro passa a ter como sede a casa da artista plástica cataguasense Nanzita Ladeira Salgado Alvim Gomes (1919-2007), que foi doada em testamento para a Diocese de Leopoldina e agora, através de um contrato de comodato de quatro anos com o Sicoob Coopemata, servirá de abrigo para o Projeto encantando e outros projetos culturais e educacionais da cooperativa cataguasense. 

Compuseram a Mesa de Honra: César Augusto Mattos (presidente do Conselho de Administração do Sicoob Coopemata); Dom José Eudes Campos do Nascimento (bispo da Diocese de Leopoldina); Pe Jorge Luiz Passon (pároco do Santuário de Santa Rita de Cássia); Andréa Sayar (gerente de Capacitação e Promoção Social do Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais - Sistema Ocemg/Sescoop) que representou o presidente do sistema Sr. Ronaldo Scucato; Pf. Alfredo Alves de Oliveira Melo (presidente do Sicoob Nossacoop e diretor do Sicoob Central Cecremge), representando o presidente do Sicoob Central Cecremge Luiz Gonzaga Viana Lage; João Batista Alves Lima (vice-prefeito de Cataguases) representando o prefeito de Cataguases Willian Lobo de Almeida e Geraldo Majella Mazini (pedagogo empresarial e coordenador do Centro Cultural Sicoob Coopemata). 
A cerimônia contou ainda com a presença de diversos representantes de instituições culturais, de empresários e diretores de empresas de Cataguases e do secretário de Cultura e Turismo do município, Fausto Menta.

O bispo da Diocese de Leopoldina, Dom José Eudes Campos do Nascimento, iniciou manifestando sua satisfação pela parceria realizada com o Sicoob Coopemata que propiciará a destinação desejada por Nanzita. "Eu tenho certeza que Dona Nanzita lá do céu está muito feliz esta noite ao ver esta grande parceria. Todos sabem que esta casa foi doada para nossa Diocese de Leopoldina justamente para usarmos da melhor maneira possível sobretudo em se tratando da educação de crianças, de jovens e adultos. Aqui nós iniciamos nosso Seminário Propedêutico que funcionou durante três anos e meio. Este ano, nós fizemos os encontros vocacionais mas não tivemos um número que pudesse iniciar a caminhada de preparação para a vida sacerdotal. E o que fazer com esta casa tão grande e necessitando de cuidados especiais? Conversa vem, conversa vai, nós pedimos ao nosso Conselho Presbiteral que padre Jorge Passon, pároco do Santuário de Santa Rita ficasse encarregado de cuidar e zelar por esta Casa. e Deus faz as coisas na hora certa, eis que surge uma proposta de aqui fazer acontecer o projeto encantando e como que encanta! Nós percebemos essa maravilha dessas crianças, adolescentes e jovens abrilhantando o início de nossa cerimônia", disse.

Andréa Sayar disse que acredita muito no projeto e ressaltou que a educação é à base de tudo na vida e que a educação pela arte é inclusiva. "certamente é um remédio para muito problema social que a gente vê por ai", destacou.

O professor Alfredo Melo também manifestou sua alegria em participar da inauguração e desejou sucesso absoluto na parceria, dizendo que a Coopemata vem se destacando não apenas pelo sucesso financeiro mas também pelo trabalho de inserção da comunidade. "Esse é um dos papeis das cooperativas, trabalhar junto com a comunidade, desenvolver a comunidade e tornar a comunidade economicamente melhor, socialmente melhor e mais feliz", disse.

A reunião serviu também para apresentar aos presentes o professor e pedagogo empresarial, Geraldo Majella Mazini que exercerá a função de coordenador do Centro Cultural. 

"Presenciamos neste momento o nascer de mais um berço provocador de talentos humanos nesta cidade com vocação cultural que é Cataguases. Essa importante parceria entre a Diocese de Leopoldina e o Sicoob Coopemata, vem sedimentar na Avenida Astolfo Dutra uma avenida ao desenvolvimento de vários talentos e sonhos de cultura, alguns, guardados há tempos por seus sonhadores, outros que serão provocados pela implantação deste Centro Cultural. Dona Nanzita, cristã e artista, ao deixar esse patrimônio à igreja que tanto amou talvez nem imaginasse tamanha utilização desta Casa, a humanização, harmonização e configuração que a arte nos dá entrelaçam-se certamente com os desejos da cristandade", disse Majella.

César Mattos falando sobre a situação atual do Brasil
com relação a violência e os escândalos políticos.
 
O presidente do Conselho de Administração do Sicoob Coopemata, César Augusto Mattos, agradeceu a todos os envolvidos para concretização da parceria, tanto aos funcionários da Coopemata quanto ao Pe Jorge Luiz Passon pelo desprendimento em dar início às conversas para parceria, bem como a Dom José Eudes, pela simplicidade e visão. Mattos também explicou que o novo empreendimento necessitou de uma coordenação para dedicação integral e que daí nasceu o convite para que o pedagogo Geraldo Majella assumisse o desafio.


"Eu quero dizer pra vocês da minha emoção, de poder estar à frente do Sicoob Coopemata. O nosso sucesso e tudo aquilo que nós fizemos até hoje foi culpa da nossa equipe e culpa da comunidade de Cataguases que acreditou em nós. Eu tenho aqui só que agradecer ao povo de Cataguases que enquanto muita gente não acreditava no cooperativismo - não por descrença em nós mas por não conhecer o que era o cooperativismo financeiro - teve pessoas que mesmo no escuro apoiaram, acreditaram e hoje a Coopemata é o que é, chegamos primeiro em Juiz de Fora, Barbacena, Lafaiete e agora em Belo Horizonte e posso dizer a vocês: fomos recebidos em Belo Horizonte de uma maneira fantástica! Hoje temos entre os nossos clientes em Belo Horizonte grandes empresas como temos em todas as cidades onde nós estamos. A Coopemata cresceu de uma forma muito sólida, muito rápida, enfim, é uma surpresa até para nós que nós tivéssemos conseguido esse crescimento tão rápido, mas se nada disso tivesse acontecido nesta velocidade, se nós não tivéssemos conseguido o sucesso que conseguimos mas se tivéssemos conseguido criar o Projeto Encantando, já teria valido a pena. A apresentação desses jovens nos emociona a todos e nos mostra que estamos no caminho certo, investir na juventude é tudo de bom e é tudo que queremos fazer. [...] O Brasil precisa se orgulhar das suas empresas, se orgulhar de seu empresariado, de seu povo e nós não podemos deixar que as nossas cabeças contaminem com essa podridão que nós vimos ai na violência, na política. Nós precisamos ver qual é a nossa parcela de responsabilidade nisso e pegarmos a nossa responsabilidade para que nós possamos mudar, fazer diferente, tentarmos mudar o país pelas nossas atitudes, não adianta ficar criticando, não adianta ficar falando porque o que está ai já está posto, nós precisamos fazer diferente para mudar essa realidade", disse César Mattos.

Em entrevista para o Site Mídia Mineira, o coordenador do CCSC, Geraldo Majella Mazini, ressaltou que o Siccob Coopemata já tem uma presença muito forte na área social em Cataguases, com ajudas ao Hospital, chegando inclusive a construir uma casa para uma família necessitada. Agora o Coopemata dá um passo mais forte em encontro à comunidade que é o Centro cultural, explicou. Ele falou sobre seu desafio a frente da nova instituição: "Assusta a princípio mas honra também, primeiro por ser o Sicoob Coopemata. Pelo histórico do Coopemata que tem de ser um trabalho de qualidade. Depois, porque nós imaginamos o que pode ser construído aqui dentro, o que pode ser edificado para cultura e educação de Cataguases. O Socioeducacional pode ser prestigiado e muito aqui. Ser convidado para estar à frente me encanta, me honra e me motiva muito. Nós estamos aqui para ouvir a comunidade. Nós temos pouco a dizer a comunidade e muito a ouvir porque nós não sabemos ainda a dimensão. Nós temos hoje um local que nos dá visibilidade, as pessoas estão relatando isso pra nós, estão vindo aqui dizer sobre a importância de o Sicoob Coopemata administrar isso aqui e principalmente em criar. Eu sonho que aqui vai trazer para Cataguases um novo impulso para cultura e para educação e eu quero fazer parte disso e que bom que me convidaram.", disse.

Conforme Majella, hoje já existe duas certezas, que é a continuação do Projeto Encantando que não é pequeno que já tem várias oficinas e que primeiro terá que introduzir essa veiculação em 180 com apresentação de resultados econômicos e social. "A comunidade de Cataguases já está nos procurando para futuros projetos e nós queremos fazer isso. Tenho certeza que vai surgir aqui coisas que nem eu e nem você imaginamos neste momento. O que mais me deixa satisfeito hoje é a presença das outras instituições que mexem com cultura em Cataguases e vieram aqui e quiseram manifestar o seu apoio a nós, então, nós já começamos em uma parceria desejada".

Por fim, Majella - que já foi vereador - explicou que está se afastando do cenário político para desempenhar seu papel com imparcialidade.

Além do projeto encantando, com aulas de canto e música, haverá no CCSC aulas de dança e artes. Hoje o Projeto Encantando já assiste cerca de 250 crianças e com o novo centro pretende chegar a 500 crianças.












Nenhum comentário :

Postar um comentário