Enviar para imprimir ou salvar PDF

sexta-feira, 9 de março de 2018

Unidas pela Saúde: Hospital de Cataguases se mobiliza pela valorização da saúde feminina

Comemorando o Dia Internacional da Mulher, o Hospital de Cataguases está desenvolvendo ações que buscam estimular a saúde e práticas de prevenção através do empoderamento feminino ao longo do mês de março. “Diversos setores estão trabalhando, cada um à sua forma, esta mensagem de que as mulheres só conseguirão se sentirem empoderadas se estiverem com sua saúde ok”, afirmou o Provedor do Hospital, Bill Crepaldi.

O Serviço de Oncologia de Cataguases – SOC desenvolveu uma camisa trazendo o slogan “Mulheres Unidas Contra o Câncer” e a imagem da Mulher Maravilha em desenho animado fazendo alusão à força das mulheres. Nesta sexta, 9 de março será realizada uma ação para elevar a autoestima das pacientes do setor, que em grande parte estão em tratamento quimioterápico. “Vamos trazer para o SOC representantes de diversas empresas de cosméticos e oferecer para elas um dia da beleza com direito a maquiagem e penteado”, explicou a psicóloga do setor, Patrícia Medeiros Pinheiro. 

“A autoestima ajuda e muito, mas tem muitos pacientes que já chegam com a baixa autoestima e quando detecta a doença a autoestima cai mais ainda. E o tratamento já propicia efeitos que não colaboram, é a queda de cabelo, é a pele que vai ficar ressecada, sem brilho, dependendo da modalidade de câncer vão ficar as mutilações. Para quem já carrega consigo uma autoestima fortalecida, percebemos que o tratamento flui com mais otimismo, com mais positividade, e o paciente acaba encontrando mais forças para vencer o tratamento”, explicou a psicóloga que vê com bons olhos o estímulo que o SOC vem propiciando aos seus atendidos.

O HC Saúde, o plano de saúde da instituição trouxe para esse mês o slogan “ Seja poderosa, seja atrevida, seja empoderada, mas não descuide da sua saúde” para ressaltar a importância da manutenção da qualidade de vida para as mulheres. “A gente sabe que a mulher tem um papel fundamental na manutenção da saúde familiar, sendo ela responsável financeiramente pela família, ou, a que divide a responsabilidade com o marido. Elas têm papel fundamental na escolha do plano de saúde e na escolha dos profissionais que atenderão a sua família, mas muitas vezes esquecem de cuidar delas mesmas para se dedicarem aos seus entes”, explicou a gerente do plano, Maria do Carmo Mariquito.

O Grupo de Trabalho Humanizado (GTH) do Hospital também está preparando uma ação surpresa para as funcionárias da Santa Casa. “As funcionárias são mulheres valentes, que encaram jornadas de trabalho, e depois, jornada de trabalho em casa. Não vamos revelar por enquanto esta singela homenagem. Estamos tentando valorizá-las, para que pelo menos nesse dia 8 elas possam sentir um doce afago por ser mulher”, comentou a enfermeira coordenadora do Pavilhão da Pediatria e presidente do GTH, Vânea de Oliveira.

Uma instituição que apoia o empoderamento feminino

Maria Inês Dal Bianco administra a
Casa há 13 anos.
O Hospital de Cataguases é um exemplo de empresa que aposta na qualidade de trabalho das mulheres. Principalmente nos cargos de chefia. Administrando a Santa Casa há 13 anos, Maria Inês Dal Bianco é exemplo disto. Integrante do quadro de funcionários do Hospital há 33 anos, Inês já atuou como auxiliar contábil por dez anos, gerenciou o Departamento Financeiro e Contábil também pode dez anos, e desde 2015 está como supervisora administrativa.

Outros setores do Hospital também contam com a competência feminina e a liderança de mulheres: O Departamento Financeiro é coordenado por Edivania Marquez, o Faturamento do SUS está sob a coordenação de Inez Mazoni, a Contabilidade é responsabilidade de Nélia Mendes, o Serviço de Atendimento Médico e Estatística (SAME) é coordenado por Raquel Amora, O Serviço de Esterelização está sob a responsabilidade de Gabriela Cunha, O Serviço de Nutrição e Dietética está sob os cuidados da nutricionista e atleta faixa preta do jiu jitsu Sarah Abritta, o Almoxarifado tem a coordenação de Daniella Rodrigues, a Lavanderia está sob a coordenação de Raquel Aparecida Oliveira  Silva, além das enfermeiras que coordenam os andares e serviços hospitalares, e as mais de 300 profissionais que diariamente dedicam-se a oferecer um atendimento de extrema qualidade no Hospital de Cataguases. 

“Não há como dizer que são melhores ou piores que os homens, e sim, que são iguais em competência, iguais em responsabilidades, iguais em comprometimento para com a Santa Casa, e por isso temos a obrigação de dar a elas o reconhecimento igual ao que é ofertado a nós homens. É isso que pleiteiam as mulheres, serem tratadas com respeito e valorização profissional de igual para igual”, completou Bill Crepaldi. 

As três doenças que mais atingem as mulheres

Câncer de Mama

E o tipo de câncer mais comum entre mulheres no Brasil e no Mundo. Corresponde a 25% dos novos casos da doença a cada ano. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2016, foram notificados 57mil casos no Brasil. O câncer de mama tem diversos tipos, porém na maioria deles, quando diagnosticados em fases iniciais, é passível de tratamento, com boas perspectivas de cura.

Vale lembrar que o autoexame não substitui a mamografia e o exame clínico cuidadoso feito por um profissional qualificado. O Hospital de Cataguases possui atualmente um dos mais modernos aparelhos de mamografia de Minas Gerais, e atende a todos os convênios, principalmente ao SUS.

Depressão

Estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS) alertam que até o ano de 2020, a depressão será a doença com maior impacto no globo terrestre. Aqui no Brasil, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) estima que uma faixa de 20% da população teve, têm ou terá um episódio em algum momento de sua vida. Falta de interesse, concentração, perda da autoestima e mudanças bruscas de humor são alguns dos sintomas da depressão. A doença atinge significativamente mais as mulheres do que os homens. Cientistas e especialistas não têm um real motivo para essa diferença, mas acreditam que ela tem relação com a influência dos hormônios femininos.

Câncer de colo de útero

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) mostram que esse tipo de câncer é considerado um dos mais importantes problemas de saúde pública do mundo. Só no ano de 2016 foram estimados mais de 16 mil casos novos de câncer do colo do útero no Brasil, o que significa 15 novos casos a cada 100 mil brasileiras. As principais causas da doença são o início precoce da atividade sexual da paciente, a variedade de parceiros sexuais, a higiene íntima inadequada e o Papilomavírus Humano (HPV).

Assessoria de Comunicação do Hospital de Cataguases

Nenhum comentário :

Postar um comentário