Enviar para imprimir ou salvar PDF

sábado, 5 de maio de 2018

Morre em Leopoldina paciente suspeito de ter contraído Gripe Influenza

Secretaria de Saúde de Leopoldina aguarda resultados dos exames em Belo Horizonte para confirmação da causa da morte. Em Cataguases vacinação contra o Vírus Influenza já começou

Foto: O Vigilante Online
Faleceu na tarde desta quinta-feira (3), na Casa de Caridade Leopoldinense, um homem com suspeita de Gripe Influenza, causada pelo vírus de mesmo nome. Existem três tipos do vírus, "A", "B' e "C", sendo o vírus influenza "A" responsável pelas grandes pandemias (A/H1N1pdm09 e A/H3N2).


O paciente tinha 36 anos de idade, trabalhava como taxista e teria viajado com a família para passar o feriadão em Vitória – ES, onde já teria chegado sentindo-se mal, retornando então para Leopoldina. Com dificuldades para andar e respirar, o paciente deu entrada na Casa de Caridade às 08h14 de quarta-feira (2). O caso teria evoluído rapidamente para uma Síndrome da Angústia Respiratória Aguda (SARA). 

Profissionais ligados à Casa de Caridade Leopoldinense e à Secretaria Municipal de Saúde, esclareceram que somente os exames que serão feitos em Belo Horizonte poderão confirmar ou não o vírus e o tipo. 

O sepultamento do taxista foi realizado às 16h30 de quinta no Cemitério Nossa Senhora do Carmo. Amostras de material do paciente foram colhidas pela equipe da Casa de Caridade Leopoldinense e entregues à Secretaria Municipal de Saúde para envio ao Laboratório de Referência do Estado, que confirmará qual o problema de saúde que evoluiu para a Síndrome de insuficiência respiratória aguda. 

Maria Emília Teixeira de Moraes (foto), Chefe do Departamento de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde, explicou que as amostras coletadas serão encaminhadas para a Fundação Ezequiel Dias (FUNED) em Belo Horizonte, onde será feita a análise e a emissão do laudo final. “Pode ser uma gama de infecções e neste momento a gente não tem como precisar”, esclareceu Maria Emília. 

Perguntada se a esposa, as filhas e outras pessoas que tiveram  contato mais próximo com o paciente precisarão ter um tratamento diferenciado, Maria Emília respondeu que não. “Eles vão passar por avaliação médica e o médico vai, na clínica, verificar se existe a necessidade ou não de prescrever o medicamento TAMIFLU”, referindo-se a um dos únicos remédios capazes de atuar contra o vírus influenza. 

“Todos os familiares devem procurar o médico no PSF, ou no consultório particular, ou no hospital, e esse profissional vai decidir se prescreve ou não o TAMIFLU frente os sinais e sintomas do paciente”, orientou Maria Emília, acrescentando que não há vacina elencada para essa situação de pós-óbito para os contatos. “Até já informei as equipes de saúde que as únicas pessoas, os familiares ou os contatos que vão tomar vacina são aqueles de grupo prioritário. Se nesse grupo que teve contato com o paciente que faleceu estiverem gestantes, mulheres amamentando, crianças menores de cinco anos, idosos, profissionais de saúde, estas pessoas vão tomar vacina, mas não porque o paciente foi a óbito e sim porque elas já são do grupo do Ministério da Saúde. Os demais casos dependem de avaliação para TAMIFLU”, concluiu.


Sintomas

Clinicamente, a doença inicia-se com febre, em geral acima de 38°C, seguida de dor muscular e de garganta, prostração, cefaleia e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de 3 dias. Os sintomas sistêmicos são muito intensos nos primeiros dias da doença. 

Com a sua progressão, os sintomas respiratórios tornam-se mais evidentes e mantêm-se em geral por 3 a 4 dias, após o desaparecimento da febre.

Adulto - O quadro clínico em adultos sadios pode variar de intensidade

Criança - A temperatura pode atingir níveis mais altos, sendo comum o achado de aumento dos linfonodos cervicais e também podem fazer parte os quadros de bronquite ou bronquiolite, além de sintomas gastrointestinais

Idoso - quase sempre se apresentam febris, às vezes, sem outros sintomas, mas em geral, a temperatura não atinge níveis tão altos.

Os demais sinais e sintomas são habitualmente de aparecimento súbito, como:

  • Calafrios
  • Mal-estar
  • Cefaleia
  • Mialgia
  • Dor de garganta
  • Dor nas juntas
  • Prostração
  • Secreção nasal excessiva
  • Tosse seca


Podem ainda estar presentes:

  • Diarreia
  • Vômito
  • Fadiga
  • Rouquidão
  • Olhos avermelhados e lacrimejantes


Vacina

Foto Manu Dias/AGECOM
A vacina contra gripe é segura e é a intervenção mais importante para evitar casos graves e mortes pela doença. A vacina trivalente protege contra três cepas do vírus influenza. Para 2018, a Organização Mundial da Saúde definiu a composição da vacina com duas cepas de influenza A (H1N1 e H3N2) e uma linhagem de influenza B.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno, que começa em junho. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

A vacina contra gripe não está na rotina do Calendário Nacional de Saúde. Trata-se de uma vacina de campanha, ou seja, ocorre somente em um período específico. Por isso, todos os anos, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, promove a Campanha Nacional de Vacinação. Neste período, é ofertada gratuitamente, em 65 mil salas de vacinação em todo o país, a vacina para grupos prioritários, formados por públicos mais suscetíveis a desenvolver a forma grave da doença.

Cataguases

Em Cataguases a 20ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe teve início no dia 23 de abril, e segue até o dia 1º de junho.

Este ano, a vacina disponibilizada pelo Sistema Único de Saúde vai proteger contra três tipos de vírus, sendo eles o H3N2, o H1N1 e influenza B. Os grupos prioritários para a imunização são crianças de 6 meses a menores de 5 anos, idosos com 60 anos ou mais, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores da Saúde nos diversos níveis de complexidade, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas na faixa etária entre 12 a 21 anos, portadores de doenças crônicas e professores das escolas públicas e privadas.

O Dia D da vacinação ocorre em 12 de maio, sábado, entre 8h e 17h, quando a expectativa é vacinar o maior número de pessoas possível, disse a coordenadora de Imunização no município, Maria Angélica Lacerda Barbosa. Neste dia, a vacina vai estar disponível no Centro de Vacinação e também nas seguintes unidades do Programa Estratégia Saúde da Família: Paraíso/Bom Pastor/Dico Leite, Beira-Rio, CAIC (bairro Santa Clara), Taquara Preta, Centro, Leonardo, Granjaria,Vila Reis, Justino, Thomé, Guanabara, Bandeirantes, Bairro Haidée, Pampulha, Sol Nascente. Também nos distritos Vista Alegre, Aracati, Cataguarino, Glória e Sereno.

De acordo com o calendário expedido pela secretaria municipal de Saúde, a partir do dia 23 de maio até 1º de junho, a vacinação contra a gripe vai ocorrer apenas no Centro Municipal de Imunização, nos postos de Saúde localizados nos bairros Guanabara, Leonardo, Granjaria, Pampulha, Paraíso, Haidée e Bandeirantes. Nesse período, a população alvo também poderá se dirigir ao CAIC, às unidades de Saúde nos bairros Beira-Rio, Centro, São Vicente, Sol Nascente, Thomé, Vila Reis e no distrito Vista Alegre.

Com informações do Jornal O Vigilante Online,
Ministério da Saúde e Prefeitura de Cataguases

Nenhum comentário :

Postar um comentário