Enviar para imprimir ou salvar PDF

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Operação da Polícia Militar de Cataguases apreende adolescentes com drogas e armas

Na tarde desta sexta-feira, 18 de maio, militares da 146ª Cia PM de Cataguases, desencadearam uma Operação Policial com o objetivo de inibir a prática de crimes violentos e de combate ao tráfico de drogas nos bairros Guanabara e Isabel Tavares.

A operação deu cumprimento a três mandados de busca e apreensão, em imóveis onde residem adolescentes que tem se envolvido com freqüência em atos infracionais, tais como envolvimento com o tráfico de drogas e posse de arma de fogo. Os mandados foram expedidos pelo juiz da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Cataguases. 

Em um imóvel localizado na Rua Téofilo Almeida, no bairro Guanabara, onde reside um adolescente de 17 anos, foram localizadas algumas pedras de crack, uma bucha de maconha, um papelote de cocaína, outros dois papelotes de tamanho grande de pasta base de cocaína, além de uma arma de fogo de calibre .22, balança de precisão e um telefone celular.

Em outro imóvel na rua Goitacazes, no bairro Imê Faraje, com um outro adolescente de 16 anos, foi encontrado uma pedra de crack, uma bucha de maconha, um telefone celular e uma garrucha também do calibre 22.

Os adolescentes receberam voz de apreensão e após serem submetidos ao exame médico de praxe, foram, juntamente com os seus responsáveis legais conduzidos até à delegacia de plantão de Leopoldina para as demais providências.

Nesta semana, outros dois adolescentes, de 13 e 14 anos e 13 anos, residentes da Vila Leonardo, foram apreendidos pela Polícia Militar e encaminhados para cumprimento de medida sócio educativa no Centro Socioeducativo de Juiz de Fora, no Bairro Santa Lúcia, por terem sido apreendidos por diversas vezes desde o final do ano passado pela prática de atos infracionais contra o patrimônio.


"Antes desta medida adotada pelo Juiz titular da Vara da Infância e Juventude, a Polícia Militar, compôs uma equipe multidisciplinar, com envolvimento do CRAS, Juizado da Infância e Juventude, bem como o Juiz e o Promotor da Vara da Infância e Juventude, buscando retirar os adolescentes da situação de vulnerabilidade em que se encontravam que culminava com a participação em diversos delitos, contudo, sem obter o resultado pretendido, não restando outra alternativa senão a internação deles para rechaçar de vez a ideia de impunidade dos atos cometidos por menores", informou a PM.

Nenhum comentário :

Postar um comentário