Enviar para imprimir ou salvar PDF

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Comissão Processante do Sargento Jorge Roberto contra prefeito Willian naufraga na Câmara

Os vereadores de Cataguases rejeitaram, na noite desta terça-feira (16), proposta do vereador Sargento Jorge Roberto (PHS), para abrir uma Comissão Processante contra o prefeito Willian Lobo. A denuncia foi lida na sessão de 2 de outubro e havia sido retirada como estratégia, a fim de obter mais votos, uma vez que o denunciante fica impedido de votar.

O vereador Sargento Jorge Roberto, tem se levantado como principal opositor do Executivo na Câmara de Cataguases. Desta vez, a denuncia do vereador alega que o prefeito não estaria respondendo os requerimentos e convocações de alguns vereadores, que o Executivo não apresentou Programa de Metas devidamente registrado em Cartório para ser debatido na Câmara e que o relatório do ex-secretário municipal de Saúde, Eliermes Teixeira, expunha a sua pasta em situação de calamidade pública. 

A votação foi nominal e teve a aprovação dos vereadores Hercyl Neto (PROS), Maria Ângela Girardi (PROS), Rafael Moreira (PRB), Betão do Remo (PSB), Marquinhos do Açougue (PSD) e Paulo Milani (PT).

Sob protestos de alguns vereadores da Frente Popular, o vereador Ricardo Dias alegou que como já era relator de outro processo contra o prefeito e que havia dito em público que cassaria o prefeito, se considerava impedido e por isso pediu para abster-se. Após longa discursão, o presidente acatou o pedido de abstenção do vereador.

A surpresa da noite ficou por conta do voto contrário do vereador Rogério Ladeira (PHS), companheiro de partido do vereador Sargento Jorge Roberto e do grupo Frente Popular. Perguntado pela reportagem do Site Mídia Mineira o motivo de seu voto, o vereador disse que analisou a proposta, mas que não encontrou indícios de irregularidade que justificassem uma Comissão Processante. Acompanharam o voto de Ladeira os vereadores: Gilmar Canjica (PSDB), Betão do Areão (PSDB), Mauro Ruela (PTC), Henrique Thurran (PRTB), Vinícius Machado (DEM) e Michelangelo Correa (PSDB).

Após a votação, o vereador Sargento Jorge Roberto reclamou do resultado, disse que como cataguasense e como vereador se sentia envergonhado com o que aconteceu. Disse que a Câmara foi irresponsável ao não permitir a investigação das irregularidades e reclamou (aparentemente) do companheiro de partido: "Certas ações que eu vejo hoje não me espanta, é o que me deixa mais triste, de quem você achava, pensava que estava ao seu lado te traiu como se fosse um Judas, isso é o que é mais triste" (sic). Por fim o sargento ameaçou: "Volto a dizer, alguém coloque suas barbinhas de molho, porque isso não acaba por aqui, não acaba por aqui, não que eu tenha nada pessoal contra ninguém, eu estou dizendo com isso o seguinte, que da mesma forma que eu tentei fazer valer a minha força como vereador, investigando, aquilo que eu acho que está irregular, eu vou continuar fazendo até meu último dia nesta casa, isso todos aqui podem ter certeza, doa a quem doer" (sic).

Um comentário :

  1. Infelizmente na politicagem brasileira não se pode esperar muita lealdade pois tudo não passa de jogos de interesses pessoais. A meu ver esta negativa só reforça que tem caroço neste angú...

    ResponderExcluir