Enviar para imprimir ou salvar PDF

domingo, 4 de novembro de 2018

Próximo longa-metragem de Ruy Guerra já está sendo produzido em Cataguases

Diretor moçambicano radicado no Brasil é um dos maiores nomes do cinema nacional 


Um dos principais nomes do movimento Cinema Novo, o diretor moçambicano, radicado no Brasil, Ruy Guerra, já iniciou - em Cataguases - as filmagens de seu novo longa-metragem com o apoio do Polo Audiovisual da Zona da Mata. 

O filme “A História de Um Crime”, começou a ser gravado na cidade na segunda-feira (29/10) e os trabalhos deverão se estender por todo mês de novembro. 

Dirigido por Ruy Guerra o longa terá locações em Cataguases, conta com a produção de sua filha, Janaína Diniz, da Kinossaurus Filmes (RJ), mesma de seu último filme "Quase Memória" e está mobilizando uma grande equipe, entre profissionais do Rio de Janeiro e da Zona da Mata mineira.

Embora várias cenas tenham sido gravadas à noite e no interior de residências, a CATRANS, órgão que cuida do trânsito em Cataguases, emitiu comunicado dando conta de que a Avenida Astolfo Dutra e a Rua Major Vieira estarão fechadas devido à gravação do filme, sendo que a primeira até o dia 9 de novembro e a última do dia 10 a 14 de novembro, sempre no período das 19 horas às 6 horas.  Após o dia 14 de novembro, estão previstas novas interdições na Major Vieira e na Avenida Humberto Mauro, mas com horário ainda a definir.

Sobre filmar em Cataguases Guerra disse para o Site Mídia Mineira, por ocasião do Festival Ver e Fazer Filmes, que tem tido o maior apoio do Polo Audiovisual da Zona da Mata e que está muito satisfeito em produzir na cidade.

Ruy Guerra também fez referências à Cataguases, durante o festival, dizendo que já havia vindo à cidade em outras ocasiões e falou sobre um contato que teve com Humberto Mauro: "Todos nós naquela época, iniciando o Cinema Novo, tínhamos esse grande respeito ao conversar com ele. É uma figura de fato que marca a história do cinema brasileiro e o cinema brasileiro marca também a história do cinema mundial que por nós todos merece ser reverenciada e não pode ser esquecida por aqueles que tiveram a honra de nascer na região que ele nasceu", disse.

No mesmo evento, Mônica Botelho, diretora-presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, disse que foi um longo "namoro" até que a escolha do cineasta se concretizasse e que ter um profissional do quilate de Ruy Guerra filmando em Cataguases é uma honra muito grande.

Ruy Guerra

Ruy Alexandre Guerra Coelho Pereira nasceu em 22 de agosto de 1931 em Moçambique, quando ainda era colônica de Portugual. Aos vinte anos foi para Paris onde se formou cineasta pelo Institut des hautes études cinématographiques (IDHEC). Desembarcou no Rio de Janeiro em julho de 1958; fez do Brasil seu país de adoção. Seus dois primeiros filmes – Os Cafajestes (1962) e Os Fuzis (1964, Urso de Prata de Berlim) – logo o tornaram conhecido no cenário cinematográfico brasileiro e mundial. Foi o primeiro cineasta do grupo do Cinema Novo a filmar fora do Brasil (França, em 1968). 

No Rio de Janeiro dos anos 1960/1970 foi parceiro letrista de músicos jovens que se projetavam, entre outros Edu Lobo, Francis Hime, Milton Nascimento, Chico Buarque. Com o último escreveu e realizou o musical Calabar: o elogio da traição, proibido pela censura da ditadura militar em 1973. Ainda de Chico filmou o musical A Ópera do Malandro em 1985 e em 2000 o livro Estorvo. Foi o realizador que mais levou à tela trabalhos de Gabriel García Márquez, de quem ficou amigo desde 1972. 

Andou meio mundo atrás de sua paixão por filmar; em meados de 1990 voltou a se fixar no Rio de Janeiro, onde nasceram e vivem seus 3 filhos e 3 netos.

Com informações de www.ruyguerra.com.br

Um comentário :

  1. Gostaria que no momento em que as filmagens forem feitas que a CATRANS resolva intervir no trânsito, até o momento não tivemos essa atenção.

    ResponderExcluir