sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Especial de Fim de Ano: Mesmo sem receber cerca de R$ 200 mil do Governo do Estado a Assistência Social de Cataguases avançou em 2018 avalia secretária Mirilane Licazali

A entrevistada desta sexta-feira (28) da série de entrevistas especiais do Site Mídia Mineira é a secretária de Desenvolvimento Social Mirilane Licazali Caetano.

Servidora de carreira da Prefeitura Municipal de Cataguases, a assistente social tem empreendido um perfil técnico a pasta que assumiu em 2017, a convite do prefeito Willian Lobo.

Entre os desafios do ano a secretária destacou a falta de repasses do Governo de Minas para o setor. O governo deve à sua pasta aproximadamente R$ 200 mil. "A gente acaba sendo lesado porque não conseguimos avançar no intuito dos direitos sociais da população o que acaba refletindo diretamente nesta população", ressaltou. Segundo a secretária só foi possível realizar as ações de sua pasta através de um planejamento estratégico porque não foi possível contar em nenhum momento com o governo de Minas.


Bolsa Família

A secretária explicou que o Município é responsável apenas por alimentar o sistema, mas que o benefício é gerado pelo Governo Federal. Em Cataguases o Bolsa Família teve um corte de 158 bolsas.
Uma meta importante atingida foi o programa de inclusão produtiva para os beneficiários do Programa Bolsa Família. Cerca de 120 pessoas realizaram cursos profissionalizantes e uma parte já conseguiu se inserir no mercado de trabalho. "Antes a gente tinha o conhecimento das pessoas que tinham o Bolsa Família, mas não conseguíamos atingir essas famílias para romper essa situação e hoje esta realidade está diferente", disse.


BPC

Em relação ao Benefício de prestação continuada (BPC), que garante uma renda de um salário mínimo para idosos e deficientes que não conseguiram aposentar, a secretária revelou que o Município conseguiu atingir os objetivos de recadastramento dos beneficiários.


População em situação de rua

Em 2018 a Assistência Social conseguiu reduzir o número de pessoas em situação de rua. Segundo a secretária, hoje existem apenas oito pessoas cadastradas nesta condição e em relação ao ano anterior, três pessoas foram retiradas das ruas através do trabalho de sua pasta. "O trabalho da Assistência Social é a acolhida, é o conhecimento da vida daquela pessoa, é o respeito com aquela pessoa, então, para pessoa sair da situação de rua não é apenas a questão material, não é só a questão financeira, tem todo um contexto envolvido e nós profissionais vamos até onde o usuário permite a gente ir, então é um trabalho que às vezes dura um mês, um ano ou dois anos", explicou.

Em Cataguases, as pessoas em situação de rua são inseridas em no Cadastro  Único do Governo Federal, que dá direito a um piso básico de R$ 87,00 por mês, além de busca das famílias para tentativas de aproximação familiar, mas muitos não desejam deixar as ruas, contou a secretária.


Outros avanços

Apesar do ano difícil a secretária listou importantes avanços em sua pasta. Além de conseguir inserir parte da população carente no mercado de trabalho, foi realizado um investimento nos servidores da Assistência Social com diversos cursos de Capacitação buscando envolver as equipes nas políticas públicas. Também foram realizados capacitações sobre: o orçamento focado nos direitos da criança e do adolescente, os serviços da Proteção Social Básica e Proteção Social Especial e o olhar profissional e intervenção profissional.

Diversas conferências e fóruns também aconteceram na cidade para discutir propostas sobre as demandas do município que foram levadas para os debates nos fóruns e conferências do Estado e da União.


Acesso e Serviços

Qualquer pessoa que esteja necessitando de ajuda no âmbito social pode buscar este auxílio primeiramente nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) que faz parte da Proteção Social Básica e tem por objetivo prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidade e riscos sociais nos territórios, por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. Cataguases possui três CRAS: um na região do Leonardo / Ana Carrara, outro na região do Justino e outro em Sereno.

Se a situação passar por violação de direitos, o interessado pode buscar ajuda no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), localizado no Centro Administrativo do Município na Rua Gama Cerqueira, 70, na Vila Domingos Lopes. O CREAS oferece serviços especializados e continuados a famílias e indivíduos em situação de ameaça ou violação de direitos como violência física, psicológica, sexual, tráfico de pessoas, cumprimento de medidas socioeducativas em meio aberto, entre outros. O telefone de contato em Cataguases é: (32) 3421-3133. Denuncias de Violação de Direitos podem ser realizadas de forma anônima tanto no telefone do CREAS quanto pelo Disque 100 ou através da secretaria dos Conselhos pelo 3429-2651, promotoria de justiça ou se for caso de violência contra a mulher na Casa de Maria.

Além dos CRAS e do CREAS a Assistência Social de Cataguases conta, dentro da Proteção Básica, com os Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos que incluem o Pró-idoso com 200 idosos cadastrados, Centro de Convivência da Criança e do Adolescente com aproximadamente 100 crianças cadastradas, Serviços de Convivência dos CRAS, além dos programas: Adolescente Cidadão, Programas de Transferência de Renda e Programa de Passe Livre.

Já na Proteção Especial, o Desenvolvimento Social conta com abrigos como a Casa da Criança, Casa do Adolescente e Albergue.

Confira a entrevista na íntegra abaixo:

Nenhum comentário :

Postar um comentário