sábado, 12 de outubro de 2019

Pai de moradora falecida em Cataguarino esclarece os fatos junto ao prefeito Willian

O prefeito de Cataguases, Willian Lobo de Almeida, recebeu a imprensa na tarde desta sexta-feira (11), em seu gabinete, para prestar contas de sua viagem à Brasília e da vitória dos mais de 400 prefeitos que estiveram na capital brasileira para pressionar os deputados sobre a votação da Cessão Onerosa (Saiba mais no link abaixo).



Um assunto, no entanto, tem tomado conta das redes sociais e gerado polêmica desde a realização de sessão ordinária itinerante da Câmara Municipal, no distrito de Cataguarino. A falta de carro de apoio (erroneamente chamado de ambulância), que encontra-se danificado. 

Na coletiva o prefeito deixou claro que conforme a Lei, o carro de apoio é de responsabilidade do conselho, que o Município vinha cumprindo com sua responsabilidade que é repassar o valor de R$ 1 mil, destinado a manutenção do veículo, que este valor continuou sendo repassado mesmo com o veículo parado, devendo ser utilizado para conserto do mesmo, que o conselho posteriormente deverá prestar contas e que para conseguir um automóvel novo, o Município depende de emenda parlamentar, mas que até o momento nenhuma emenda neste sentido chegou à prefeitura. Outro ponto esclarecido pelo prefeito é que o carro de apoio dos distritos não pode realizar resgate de emergência, por não contar com equipamentos e nem com profissionais da saúde, conforme legislação, que todo resgate de urgência deve ser realizado pelo SAMU, conforme convênio e que para isso o município gasta também um valor mensal com o SAMU. O prefeito também anunciou que o carro de apoio de Vista Alegre que também estava sendo consertado, ficará pronto na próxima semana e que o veículo da prefeitura que encontrava-se emprestado para aquele distrito será remanejado para Cataguarino, solucionando assim o problema.

A polêmica gerada, no entanto, que chegou a ser noticiada em rádios e nas redes sociais, foi a divulgação de que uma "criança" teria morrido no distrito por falta de veículo para socorrer. De fato, a participação do pai da pessoa falecida, Sr. Joel Gonçalves Marques, logo após a morte de sua filha, que na realidade tinha 37 anos, em um momento de dor, pode ter contribuído para a polêmica, mas na entrevista coletiva, o Sr. Joel Marques, que esteve presente, já de cabeça fria, esclareceu, na presença de jornalistas, radialistas e vários servidores, que não houve omissão por parte do prefeito Willian. "Quero te agradecer de coração, que você sempre me ajudou demais, sempre foi na minha casa e sempre deu assistência a minha família e não estou falando isso de boca pra fora", disse o pai para o prefeito. 

Na reunião também ficou esclarecido que a moradora, com necessidades especiais, faleceu no Hospital de Cataguases. Sr. Joel reforçou que minutos antes estava com suas duas filhas realizando exames em Cataguases sendo transportadas por veículo da prefeitura. Ao final, Sr. Joel ainda fez questão de abraçar o prefeito.

Após a reunião a reportagem do Site Mídia Mineira perguntou ao prefeito Willian Lobo sobre a forma em que a notícia foi compartilhada em redes sociais. O prefeito lamentou o fato, disse que estava em Brasília defendendo Cataguases, mas que ficou provado que ele sempre deu assistência à referida família, pela própria boca do pai da falecida, que muitos que falaram nem conheciam a pessoa, "disseram que havia morrido uma criança, quando na verdade a moradora tinha 37 anos" e lamentou também o uso "politiqueiro" da dor das pessoas, apenas para criar factoides contra a sua gestão.



Confira abaixo trecho da Coletiva de Imprensa sobre o fato de Cataguarino:

Nenhum comentário :

Postar um comentário